Um jovem gay foi agredido fisicamente por um motorista de ônibus em São Paulo, no último sábado (7), dia da Independência do Brasil. Marcello Santana usou o seu perfil no Facebook para expor o episódio que coincidiu com um dos dias mais tristes para a comunidade LGBTQ+ do país.

Marcello conta que estava acompanhado por uma prima e um rapaz que estava cuidando dele após um sangramento no nariz. Na ocasião, os dois deram alguns selinhos, quando o motorista parou o ônibus aos gritos e pediu para que eles saíssem do veículo.

“Ele então, levantou e na mesma hora resolvi não criar uma discussão e me despedi desse rapaz e da minha prima. Ao descer, levantei as mãos e disse ‘tá tudo bem, eu vou embora’, ele já veio nos socos, sem ao menos em nem ter tempo pra terminar de falar”, contou Santana.

De acordo com a publicação, o motorista, não identificado no texto, voltou para o ônibus e foi embora.

Marcello aproveitou a situação para se assumir publicamente e salientar que “se aceitar é um processo difícil, mas viver certo disso que é pior ainda”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Estava esperando um momento bonito pra dividir com todos minha orientação sexual. Porém, devido ao fato achei necessário compartilhar e não esperar mais. Estou super bem resolvido com minha escolha, e tenho graças a Deus, o amor incondicional dos meus familiares. Se aceitar è um processo difícil, mas viver certo disso que é pior ainda. As pessoas nos julgam por andar de mãos dadas, trocar carícias em público ou pelo simples fato de querer direitos iguais como todo mundo”, disse.

Veja a publicação completa:

São Paulo, 07 de setembro de 2019 07hs da manhã Estava voltando de um rolê, e fui agredido por um motorista de ônibus…

Publicado por Marcello Santanna em Sábado, 7 de setembro de 2019

A LGBTfobia enfrentada pelo jovem Marcello ocorreu no mesmo dia em que o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, deus ordens para que fiscais removessem todos os livros com conteúdo LGBTQ+ da Bienal do Livro.