Um jovem de 29 anos foi agredido e estuprado após participar da 24ª Parada LGBTQ+ de Goiânia. Ele foi à delegacia para registrar o crime, onde afirmou ter levado pancadas na cabeça e sua roupa rasgada por um homem ainda não identificado.

De acordo com o G1, o jovem estava a caminha de casa, quando, nas proximidades de um colégio no Setor Central, foi forçado pelo agressor a ter relações sexuais com ele na calçada de um prédio onde tudo aconteceu.

O caso não foi registrado como LGBTfobia, enquadrada no racismo, mas como estupro. O delegado Glaydson Divino disse à reportagem que as investigações apontarão a real causa do crime.

“O caso foi registrado como estupro, porque a vítima, inicialmente, não foi agredida pelo fato de ser homossexual, e sim porque se recusou a fazer sexo”, afirmou o delegado.

A vítima contou à Polícia Civil que o agressor queria que ele fizesse sexo oral e, ao recusar, levou uma forte pancada na cabeça, dada com uma madeira ou ferro. Mesmo ensanguentada, o homem o estuprou.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Imagens de segurança da rua auxiliarão nas investigações. Vamos tentar imagens de câmeras próximas para identificar o autor”, disse Glaydson.

Em uma de suas redes sociais, o jovem escreveu: “Mais uma vez a intolerância, a ignorância e o machismo fazem vítimas. Homofóbicos tirem suas mãos imundas do meu corpo, ele me pertence! #vivo e a luta continua”, escreveu.