Mais ou menos como aconteceu aqui no ocidente 28 anos atrás – e ainda é um desafio ser LGBT nos dias de hoje – a homossexualidade deixou de ser classificada como doença na Índia. A notícia já repercute por toda imprensa no país, principalmente no Hindustan Times, um dos principais jornais da região.

Em um comunicado inédito, a IPS, Sociedade de Psiquiatria Indiana, declarou que “a homossexualidade não deve ser tratada como doença”.

O IPS é o maior corpo de profissionais de saúde mental da Índia, com cerca de 3.000 membros. Desde 2016 se discutia esta questão entre seus membros.

Em um vídeo, o presidente da associação, Dr. Ajit Bhide, afirmou: “Estas pessoas não são tratáveis para serem heterossexuais e não precisamos castigá-las, não precisamos puni-las e torturá-las.”

E continuou: “É um passo na direção certa. Qualquer que seja sua orientação sexual, desde que não haja outra parte envolvida sem consentimento, deve ser respeitada e ter sua prática permitida.”

O sexo homossexual é criminalizado pela Seção 377 do Código Penal Indiano. A expectativa agora, é de que a decisão de um órgão importante e reconhecido do país como o IPS, ajuda finalmente a se derrubar este tabú, fazendo com que a homossexualidade não seja mais considerada crime por lá.

Vikram Doctor, um ativista LGBTI em Mumbai, afirmou sobre a decsião ao Hindustan Times: “Isso deveria ter sido feito 20 anos, mas estou feliz que eles agora o tenham feito agora”.

E concluiu afirmando: ”A declaração da IPS será um argumento eficaz no tribunal para desafiar os órgãos que apóiam a criminalização da homossexualidade com base em pontos de vista religiosos”.

Ainda que não sejam maioria, muitos países já proibiram a crença de que a homossexualidade é uma doença mental desde 1973, quando a Associação Americana de Psiquiatria fez história ao declarar que a homossexualidade não era uma doença mental ou doença. A Organização Mundial da Saúde (OMS) seguiu o exemplo em 1992.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).