A Igreja Católica de Cuba pediu às autoridades e população cubana que recusem a proposta de casamento igualitário que está sendo discutida atualmente e pode autorizar a união gay no país.

Em julho deste ano, a Assembleia Nacional de Cuba deu aval ao projeto que muda a definição de casamento na lei do país, que data de 1976.

Até hoje, a lei diz que casamento é a união voluntária entre homem e mulher. Agora segundo a proposta, o texto mudaria para “união consensual de duas pessoas independente do gênero.” Foi estabelecido entretanto que a decisão deverá ser tomada pela população em um plebiscito.

Em uma carta aberta publicada esta semana, Dionisio Garcia, o arcebispo de Santiago de Cuba, pediu aos cidadãos cubanos que defendam a definição de casamento apenas pela união entre homem e mulher, conforme noticiou o France24.

Ele alega que a aceitação do casamento gay é um “alien” aos valores cubanos e usa a globalização para criar uma cultura que aceita um e desqualifica outros (oi???). O arcebispo ainda diz que isso é ignorar o que a natureza nos deu, ignorando completamente a existência de milhares de animais homossexuais identificados em toda espécie, né?

Atualmente várias igrejas evangélicas e católicas do país estão em campanha contra a proposta enquanto ativistas LGBTs do país vem fazendo campanha por conscientização e aprovação.

No país tem acontecido uma série de debates sobre o tema e o governo já organizou discussões em universidades e ambientes de trabalho até o dia 15 de Novembro afim de informar a população e ouvir opiniões.

Os resultados serão apresentados ao parlamento cubano em Dezembro junto com um referendo para que a população se a nova constituição do país – que entrará em vigor dia 24 de fevereiro de 2019 – deve incluir o casamento gay.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).