A Diocese Anglicana de Sydney, na Austrália, adotou uma nova política anti-transgêneros que coloca culpa da existência de pessoas trans na “rebelião de Adão e Eva no jardim do Éden”.

Embora suas opiniões sobre a comunidade trans não tenham fundamento histórico teológico, a diocese propôs uma nova política que proíbe os paroquianos de “celebrar ou validar” a existência de pessoas trans.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Deus criou o ‘corpo biologicamente sexuado’”, disse o arcebispo Glenn Davies. “Desfocar as distinções entre homem e mulher, ou procurar se apresentar como um sexo oposto à biologia, é uma negação do significado do corpo biologicamente sexado que Deus nos deu”, continuou ele.

Glenn ainda disse aos fiéis que procurem “opções que mantenham a integridade de sua unidade física e mental e que honrem e preservem a masculinidade ou feminilidade do corpo que Deus lhe deu”.

VEJA TAMBÉM:  De novo? Ana Paula Henkel é acusada de homofobia e transfobia por mais 2 internautas

Davies também pediu para que os frequentadores que apoiam o casamento entre pessoas do mesmo sexo saiam da sua igreja. “Minha opinião é que, se as pessoas desejam mudar a doutrina de nossa igreja, devem começar uma nova igreja ou ingressar em uma igreja mais alinhada às suas opiniões”, disse ele. “Mas não arruine a  Igreja Anglicana, abandonando o claro ensino das escrituras”, falou.

Fonte: PinkNews.