Ian McKellen sendo exemplo para os gays não é de agora, né? O ator elogiou o Serviço Nacional de Saúde Britânico depois de se tornar um dos primeiros no país a receber a vacina contra o coronavírus.

O ator de 81 anos tomou a vacina da Pfizer-BioTNech como parte do lançamento em massa que terá dezenas de milhões de vacinados contra o vírus em questão de meses (dá uma invejinha, né).

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Com a vacina priorizada para pessoas de maior risco, acima de 80 anos, e profissionais de saúde e cuidados domiciliares de primeira linha, Ian McKellen estava no topo da lista de vacinação que começou na quarta-feira (16 de dezembro).

Ele disse: “É um dia muito especial, me sinto eufórico. Eu encorajaria todos a fazerem a coisa sensata. Qualquer pessoa que viveu tanto quanto eu está viva porque teve vacinas anteriores, a aceitação entre a geração mais velha será de 100 por cento – deveria ser – porque você está tomando não apenas para si, mas para pessoas de quem você é próximo – você está fazendo a sua parte pela sociedade”.

A sensatez continua: “Claro, é indolor, é conveniente, e entrar em contato e conhecer a equipe do NHS e dizer obrigado a eles pelo quão duro eles têm trabalhado é um bônus, eu não hesitaria em recomendar a ninguém. Sinto-me muito sortudo por ter recebido a vacina.”

VEJA TAMBÉM:  Ian McKellen e Patrick Stewart “se casam” durante o lançamento de “Star Trek Picard”

Ian McKellen dá o exemplo que todos nós devemos seguir

O Gandalf e o Magneto em um só, implorou que os mais velhos e mais antigos da Grã-Bretanha recebessem a vacina, que ele recebeu no Arts Research Center do Queen Mary University Hospital.

Ian McKellen disse à ITV: “Da próxima vez que eu vier – seis dias depois de minha próxima vinda – vou dar a todos um grande abraço. Isso é permitido? Eu não sei. Esse é o verdadeiro bônus de tudo isso, assistir e ver o que funciona e o que não funciona neste país”.

Ficamos felizes por McKellen, mas ao mesmo tempo tristes por nós, que talvez não vejamos a vacina em meses a despeito do jogo político do nosso desgoverno e da irresponsabilidade de sua equipe, cuja a vida do brasileiro não é a prioridade.