Hong Kong se tornará a primeira cidade da Ásia a sediar, em 2022, os Jogos Gay, um evento criado par fortalecer o reconhecimento dos direitos do movimento LGBT, numa cidade que ainda sofre com o preconceito.

A Federação dos Jogos Gays (FGG, na sigla em inglês) preferiu Hong Kong a Guadalajara e Washington em uma votação ocorrida em Paris na segunda-feira. Um número recorde de 17 cidades expressou interesse em sediar os Jogos Gays de 2022, treze delas nos Estados Unidos. Hong Kong superou a cidade mexicana de Guadalajara e a capital americana Washington para organizar a 11ª edição dos Jogos Gay.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Co-presidente da Gay Games Hong Kong Bid TeamDennis Philipse (à esquerda) e Benita Chick Foto: Dickson Lee

Os Jogos foram criados pelo ex-atleta Tom Waddell, que participou dos Jogos Olímpicos do México-1968. Os Jogos Gay estão abertos a todos os esportistas, sem censura de gênero ou orientação sexual. A primeira edição aconteceu em 1982 em São Francisco.

VEJA TAMBÉM:  Com aval do governo, colégio em Taiwan passa a permitir que garotos usem saia

“O impacto que os Jogos Gays têm nas cidades-sede é incrível em termos de cultura, esporte, impacto econômicos, história e, o mais importante, em elevar todas as questões de igualdade LGBT+”, disse a FGG em um comunicado. Os jogos são promovidos como a maior congregação LGBT global de esportes e cultura — mas os participantes não têm que ser gays, disseram os organizadores.

Os defensores da candidatura de Hong Kong descreveram os jogos como uma conquista para o status da comunidade LGBT da cidade. “Este é um grande passo adiante para a própria Hong Kong conseguir conquistar estes jogos mundiais… e também é um grande passo para a inclusão da diversidade”, disse Alfred Chan, presidente do conselho da Comissão de Oportunidades Iguais de Hong Kong, uma entidade estatutária que apoio a candidatura.

VEJA TAMBÉM:  Taiwan se torna o 1º país da Ásia a permitir casamento homoafetivo

Nota: A cidade de Hong Kong só descriminalizou a homossexualidade em 1991.

Hong Kong, uma antiga colônia cosmopolita britânica, retornou ao domínio chinês em 1997 sob uma fórmula de “um país, dois sistemas” que promete um alto grau de autonomia e liberdades não desfrutadas no continente. Não há lei contra a discriminação baseada na orientação sexual e o casamento gay não é reconhecido no território.

O governo de Hong Kong “observa” a escolha da cidade para sediar os Jogos, afirmou em um comunicado à Reuters.”O governo está empenhado em promover a igualdade de oportunidades e promover na comunidade a cultura e valores de inclusão e respeito mútuo”, acrescentou. A comunidade de lésbicas, gays, bissexuais e transgêneros da cidade marcou uma vitória política em setembro, quando um tribunal de apelação determinou que uma lésbica britânica cujo parceiro trabalhou na cidade devia receber um visto de cônjuge.

VEJA TAMBÉM:  Taiwan vai celebrar conquista do casamento gay no país com buffet gigante

A homossexualidade não é ilegal na China continental, mas foi considerada como uma desordem mental até recentemente. Muitas grandes cidades têm cenas gay prósperas, mas muitos indivíduos gays ainda enfrentam pressão familiar e social para se casar e ter filhos.

Os Jogos Gay de 2018 terão lugar em Paris, de 4 a 12 de agosto, com 36 eventos esportivos, 14 eventos culturais, uma conferência acadêmica, com até 15 mil participantes de 70 países.

VEJA TAMBÉM:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).