Um homofóbico da Flórida está dizendo que não pode se dar ao luxo de voltar para a Utah para responder legalmente pelas acusações de agressão feitas contra ele depois que foi flagrado agredindo outro homem por ser gay.

Os problemas de Carlo Alazo, de 22 anos, começaram em fevereiro, quando ele foi acusado de três contravenções, incluindo duas acusações de agressão, depois de agredir o americano Sal Trejo, 29, em Salt Lake City, no Estado de Utah nos Estados Unidos.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Sal Trejo postou um vídeo de 8 segundos do ataque violento ocorrido no dia 17 de fevereiro, algumas semanas atrás.

Falando ao Tribunal de Salt Lake City na época, Trejo disse que pegou seu telefone para filmar a agressão porque Alazo estava “ficando cada vez mais agressivo” e a troco de nada.

VEJA TAMBÉM:  Pesquisa revela que 80% dos estudantes LGBTQs da China sofrem de depressão

No vídeo, que você pode assistir abaixo, Alazo pergunta a Trejo: “Você é gay?”. E Trejo responde: “Eu sou”, ao que Alazo questiona: “Ah, então você é gay?” antes de dar um soco no rosto de Trejo, derrubando o telefone no chão.

Como era de se esperar, Trejo processou o rapaz usando o vídeo como prova da agressão homofóbica. Acontece que Alazo alega agora em uma carta à Corte, recebida na última sexta-feira, que não poderia ir ao tribunal se defender porque “tinha que visitar sua avó doente que mora em um país estrangeiro”. 

Ainda por mais incoerente que pareça a quem vai visitar um país estrangeiro, ele ainda afirma que “não tinha dinheiro para voltar para Salt Lake City” depois pois era pobre e estava desempregado.

Além de tudo isso, Alazo lamentou que ele teria que “trabalhar o máximo possível para se preparar para a minha defesa contra as acusações que injustificadamente foram feitas contra ele”. 

VEJA TAMBÉM:  Na contra-mão de países desenvolvidos, Botswana (África) torna crime ser gay

Ele ainda teve a pachorra de pedir que sua audiência fosse adiada por mais 90 dias para que ele pudesse economizar seu dinheiro e fazer planos de viagem.

O juiz, no entanto, ficou impassível felizmente e emitiu um mandado de US $ 2.500 contra o jovem homofóbico. Alazo continua acusado de ameaçar usar uma arma perigosa em uma briga e duas acusações de agressão e terá que responder legalmente pelos crimes.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).