Um homofóbico em Cingapura soltou insultos homofóbicos e ameaçou os funcionários com violência, tudo porque um vendedor de alimentos tinha uma bandeira do Orgulho LGBT+ perto do caixa.

O vídeo mostrou o homem repreendendo os funcionários do SMOL, um restaurante de comida saudável no bairro de Geylang. Supostamente dizendo-lhes para “irem para o inferno”, o homem explodiu de raiva.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O homem passou pela loja da empresa na tarde de segunda-feira (18 de janeiro), de acordo com um post no Facebook carregado pelo proprietário do SMOL, Charmaine Low, e começou a brigar com os funcionários depois que viu a bandeira.

Funcionários do restaurante em Cingapura ficaram surpresos quando o homofóbico derrubou e jogou a bandeira do Orgulho LGBT+ dizendo: “O que é esta bandeira?”. Depois que um funcionário explicou que é uma bandeira do Orgulho, o homem foi embora, mas voltou furioso.

“Você sabia que esta é uma praça de alimentação pública?” ele cuspiu. “Nem todo mundo apoia LGBT! Como você pode colocar esta bandeira?”. “Ficamos surpresos neste ponto”, continuou o post. “E de repente, o homem arrancou nossa bandeira do Orgulho do nosso balcão e jogou-a com força em um de nós.”

VEJA TAMBÉM:  Pastor evangélico inclusivo é vítima de homofobia por empresário

Imagens de vigilância assustadoras mostraram o homem agarrando com força a bandeira e jogando-a em um funcionário enquanto ele supostamente gritava: “Vocês são o tipo de pessoa que está destruindo Cingapura! Vá para o inferno!”.

Ao enviar o vídeo, Low disse que sua intenção não era “rastrear o homem homofóbico”, mas destacar a realidade cotidiana que a comunidade LGBT+ vivencia quando a maioria dos incidentes nem é captada pela câmera”.

Low, que não se intimidou com o homem, disse que o incidente não a impedirá de exibir a bandeira na loja Lau Pa Sat, bem como na filial SMOL em Paya Lebar Quarter. De acordo com o canal de notícias Channel News Asia, Low apresentou um relatório às autoridades locais – as investigações estão em andamento, disse a polícia.