Um jovem paramédico foi queimado vivo em frente sua própria casa na Letônia. Normunds Kindzulis tinha 29 anos e não resistiu após ter 85% do corpo queimado em um crime de homofobia. Um amigo da vítima tentou apagar as chamas e acabou se ferindo, ele retratou a motivação homofóbica a polícia.

O crime teria sido realizado por um vizinho que não concordava com os ideias de vida da vítima, que era ativista dos direitos LGBTQIA+. Normounds chegou a ser levado a um hospital, mas após cinco dias de internação não resistiu aos ferimentos e morreu.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Normunds Kindzulis, vítima de ataque de homofobia na Letónia na semana passada, sucumbiu aos seus ferimentos. Os nossos mais sinceros pêsames ao seu parceiro e família e a toda a nossa comunidade na Letónia”, escreveu o EuroPride nas redes sociais oficiais.

VEJA TAMBÉM:  Ana Paula Valadão: “Sexo hétero não gera doença. Sexo gay é que causa AIDS”; assista

A Letônia se recusa a reconhecer os direitos da população LGBTQIA+ e é governado por partidos conservadores que se alternam no poder.

Homofobia: paramédico é queimado vivo na porta de casa
Homofobia: paramédico é queimado vivo na porta de casa (Foto: Reprodução / Instagram)