Um novo estudo do Williams Institute na UCLA School of Law, dos Estados Unidos, constatou o óbvio: que a homofobia internalizada é muito comum entre eleitores LGBTs conservadores (nos Estados Unidos seria o caso dos eleitores republicanos).

Mais de um terço deles, ou 38% dos pesquisados, encara sua orientação sexual como um “defeito”. Além disso, 41% disseram que, se pudessem, gostariam de ser heterossexuais.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

É verdade que a notícia é dos Estados Unidos, mas certamente a realidade também se aplicaria a realidade brasileira se analisarmos o perfil de integrantes de “Gays com Bolsonaro” ou em grupos LGBTs conservadores de direita, que vale lembrar, são uma minoria dentro da comunidade LGBT.

LGBTs conservadores? Apoiador de 'Gays com Bolsonaro'... mas poderiam ser Judeus com Hitler. (Foto: Reprodução / Guia Gay SP)
LGBTs conservadores? Apoiador de ‘Gays com Bolsonaro’… mas poderiam ser Judeus com Hitler. (Foto: Reprodução / Guia Gay SP)

A pesquisa – divulgada pelo portal Pink News – usou dados de um estudo de cinco anos sobre a saúde de adultos LGBTs para examinar a relação entre minorias sexuais e suas identidades políticas.

VEJA TAMBÉM:  Karamo Brown, do Queer Eye, detona governo homofóbico de Trump em premiação

O estudo constatou que entre os eleitores LGBTs conservadores (Republicanos), grande parte tinha menos probabilidade de dizer que se sentia parte da comunidade LGBT e menos probabilidade de se dizer orgulhoso da comunidade e menos probabilidade ainda de ver a participação na comunidade como algo positivo.

Já entre o grupo oposto politicamente, ou seja, os progressistas LGBTs (nos EUA, os Democratas) há duas vezes maior probabilidade de se considerar importante ser politicamente ativo dentro da comunidade LGBT, além da sensação de orgulho de ser quem é, o oposto da vergonha dos conservadores.

Gays com Bolsonaro e Damares Alves: pra eles, não importa ela ser a favor de cura gay e contra pauta anti-bullying e discriminação LGBT no ensino. (Foto: Reprodução / Twitter)
Gays com Bolsonaro e Damares Alves: pra eles, não importa ela ser a favor de cura gay e contra pauta anti-bullying e discriminação LGBT no ensino. (Foto: Reprodução / Twitter)

Apesar dos repetidos apelos do Partido Republicano (conservadores) para permitir a discriminação contra pessoas LGBT em nome da “liberdade religiosa”, 65% dos republicanos LGBTs na pesquisa parece não considerar estas questões relevantes.

O principal autor do estudo, Ilan H Meyer, renomado estudioso de políticas públicas do Williams Institute, disse: “Há uma crença comum de que a identidade LGBT e a afiliação republicana (eleitorado conservador) são incompatíveis.”

Gays For Trump: grupo de LGBTs conservadores apoia Trump mesmo que este seja contra seus direitos. (Foto: Jeff Gritchen/Digital First Media/Orange County Register via Getty Images)
Gays For Trump: grupo de LGBTs conservadores apoia Trump mesmo que este seja contra seus direitos. (Foto: Jeff Gritchen/Digital First Media/Orange County Register via Getty Images)

Ele continuou: “Embora representem uma pequena minoria, algumas pessoas LGBTs são filiadas aos republicanos. No entanto, é impressionante descobrir o quanto eles diferem dos LGBTs democratas em termos de suas conexões com a comunidade LGBT.”

Apesar de surtos como “Gays for Trump” e “Trump Pride”, nas últimas semanas antes da eleição presidencial, a campanha de reeleição de Donald Trump não publicou nenhuma política sobre questões LGBT. E seus eleitores tão pouco se importam.

VEJA TAMBÉM:  Cher detona Bolsonaro e diz estar rezando pelo Brasil

Durante seu tempo na presidência, Trump já atacou a comunidade LGBT 181 vezes, de acordo com o levantamento Trump Accountability Project da GLAAD, durante os 1377 dias em que ocupou o cargo.

Sua administração proibiu os transgêneros de servirem nas forças armadas do país, apoiou ativamente a discriminação contra pessoas LGBT no mercado de trabalho – sob desculpa de “liberdade religiosa a quem contratasse” – suspendendo leis de proteção contra discriminação criadas na era Obama, dados de serviços e saúde e acabou com recursos, dados e linguagem LGBT dos sites do governo.

Em junho deste ano, o Partido Republicano de Trump anunciou que deixaria sua plataforma partidária de 2016 inalterada, o que significa que o Partido Republicano continuará a apoiar oficialmente uma reversão da decisão da Suprema Corte dos Estados Unidos que autorizou o casamento homoafetivo no país em 2015.

VEJA TAMBÉM:  Drauzio Varella critica Bolsonaro por fala sobre HIV: "Desumanidade"

Mas nada disso importa para LGBTs conservadores… Bem, se historicamente já teve até judeu apoiando Hitler e o Nazismo, o que mais surpreenderia na estupidez humana, não é mesmo?

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).