Um homem trans está processando a gigante do comércio eletrônico Amazon, alegando que sofreu assédio e ainda teve negada uma promoção no trabalho depois que ele revelou ao seu gerente que estava grávido.

Shaun Simmons trabalhava em um estoque da Amazon que fica em Nova Jersey, nos Estados Unidos. Ele contou ao seu supervisor, Mike Menno, em junho de 2019 que estava grávido, segundo informou a NBC News.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Depois disso, Menno contou a outro supervisor, Tyler Houpt, da história e pouco depois, a notícia de sua gravidez se espalhou por todo trabalho. Simmons conta que o resultado disso é que ele acabou sendo assediado por outros funcionários da empresa. Em um dos incidentes descritos no processo, um colega perguntou a ele em tom de deboche: “Ué, você não está grávido?”, enquanto ele usava o banheiro masculino.

VEJA TAMBÉM:  Empresário bolsonarista é condenado a pagar R$ 41 mil por fake news contra Jean Wyllys

O homem trans ainda alega que seus supervisores criticavam exaustivamente seu trabalho, acreditando que faziam isso só pra que pudessem rebaixá-lo a uma posição inferior, o que acabou acontecendo.

Estoque da Amazon em Nova Jersey. Empresa é acusada de assédio a homem trans grávido. (Foto: New Jersey Monthly / Alex Fradkin)
Estoque da Amazon em Nova Jersey. Empresa é acusada de assédio a homem trans grávido. (Foto: New Jersey Monthly / Alex Fradkin)

Quando reclamou ao RH da empresa sobre os supostos maus-tratos de seus superiores, Shaun Simmons foi colocado em licença remunerada. Acontece que assim que voltou, teve sua função rebaixada para selecionador de itens. Na nova função, ele foi obrigado a levantar grandes sacos de comida de cachorro, junto com outros itens pesados ​​- um feito que se mostrou preocupante devido à sua condição de gestante.

Assim que Simmons novamente procurou o RH para denunciar a situação, dizendo que estava sentindo dores abdominais, foi colocado novamente em licença remunerada.

O homem trans grávido contou que a empresa lhe orientou que deveria fornecer um atestado médico solicitando acomodações especiais durante a gravidez, mas, quando ele fez justamente isso, o pedido teria sido negado.

VEJA TAMBÉM:  Acusado de homofobia, advogado anexa fotos de pornô gay em processo

Em outra parte do processo, Simmons afirma que foi oferecido uma promoção em outro armazém onde não teria que enfrentar seus assediadores – no entanto, esta oferta foi rescindida em setembro de 2019, no mesmo mês em que foi colocado em licença.

Simmons ainda afirmou no processo que sofreu assédio com base em seu gênero e durante a gravidez em seu tempo de trabalho para a Amazon.

Agora, o homem trans busca na Justiça que a empresa devolva seu emprego e lhe pague todos os meses de licença sem vencimento.

O processo de Simmons foi aberto pela primeira vez no Tribunal Superior do Condado de Mercer, nos Estados Unidos, e foi transferido para o Tribunal Distrital dos Estados Unidos de Nova Jersey na segunda-feira após um pedido dos advogados da Amazon, de acordo com o New Jersey Law Journal.

VEJA TAMBÉM:  Estudante trans é indenizado em mais de 1 milhão após restrição a uso de banheiro

A Amazon disse à NBC News que não pode comentar sobre processos em andamento, mas garantiu que não tolera assédio entre seus funcionários.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).