A Polícia Civil de São Paulo estava em busca de imagens de câmeras de segurança para identificar o homem que matou a transexual Larissa Rodrigues da Silva, 21 anos, na Zona Sul da capital paulista. A jovem foi morta a pauladas na noite do último sábado (4). A identidade do agressor ainda não foi descoberta.

Segundo testemunhas ouvidas pela polícia, um homem pardo, com cerca de 27 anos, e aproximadamente 1.68cm de altura, em um voyage prata, atacou a vítima na Alameda dos Tacaúnas com a Avenida Indianápolis, por volta das 21h10.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo informações cedidas pela Polícia Civil ao G1, Larissa estava acompanhada de uma amiga no momento do crime, quando um homem passou de carro e fez o primeiro contato com elas. Pouco tempo depois, o mesmo indivíduo deu meia volta e começou a gritar afirmando ter sido roubado pelas duas, sem dizer o que, de fato, havia sido levado. Em seguida, o rapaz some e volta a pé desferindo os golpes contra a jovem.

VEJA TAMBÉM:  Envolvido no caso da morte de cabeleireiro por homofobia é preso acusado de ameaçar testemunhas

A amiga da vítima também contou que precisou correr do homem que, ao ver a trans caída no chão, continuou a agredi-la.

Ela foi levada ao Hospital Saboya com politraumatismo no tórax e no crânio, mas não resistiu aos ferimentos e chegou morta no pronto-socorro. A jovem era natural de Fortaleza (CE) e morava em São Paulo há 5 anos, onde ganhava a vida como garota de programa, segundo a amiga.

O corpo de Larissa foi levado para sua cidade natal e de lá seguiu para a casa de familiares para ser velado. O enterro aconteceu na manhã da terça-feira (07), no Cemitério Jardim do Éden, na cidade de Pacatuba, Grande Fortaleza.

Larissa Rogues da Silva — Foto: Reprodução/Arquivo Pessoal

Larissa Rodrigues da Silva figura o a lista que nomeia o Brasil como o país que mais mata pessoas transexuais no mundo, de acordo com um levantamento da ONG Transgender Europe, que realizou uma pesquisa no ano passado com mais de 72 países. Segundo a organização, 167 mortes foram registradas entre 2017 e 2018.

VEJA TAMBÉM:  Aos 90 anos, lésbica processa força aérea 60 anos após ser demitida por ser homossexual

Atualização:

A Polícia Civil pediu a prisão temporária do suspeito de ter assassinado Larissa Rodrigues. O homem, que ainda não teve a identidade revelada pelas autoridades, se apresentou à delegacia na noite dessa segunda-feira (6) alegando o fato como legítima defesa.

Suspeito de matar Larissa Rodrigues da Silva — Foto: Jorge dos Santos/TV Globo

O crime foi registrado como homicídio no 27º Distrito Policial, em Campo Belo. Caso a prisão seja decretada, o indivíduo será encaminhado para o 2º DP, do Dom Ribeiro. Investigadores apuram imagens de câmera de segurança para entender como tudo aconteceu.

Fonte: G1