Um homem gay foi violentamente atacado durante uma celebração do Orgulho em Auckland, Nova Zelândia, tendo desmaiado e acordado deitado em uma poça de seu próprio sangue. Ray Gardiner, que se apresenta como a drag Kourtney Khaos, disse que saiu com seu namorado para comemorar o mês do Orgulho, mas o casal foi agredido na madrugada de sábado (27 de fevereiro).

Gardiner disse ao Pink News que ele e seu namorado estavam andando por uma rua escura quando um grupo de homens em um veículo começou a gritar calúnias homofóbicas para eles, incluindo “viadinhos” e “bichonas”. Quando seu parceiro pediu aos homens que os deixassem em paz, Gardiner disse que os caras saíram do veículo o atacaram.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Eu estava de salto alto, então caí no chão”, disse Gardiner. “Todos eles começaram a chutar, socar e pisar em mim e não pararam.” Ele explicou que havia sangue nos olhos e nariz e que ele não conseguia respirar direito e que o ataque só parou quando pessoas que moravam em um prédio de apartamentos próximo saíram.

VEJA TAMBÉM:  Funcionária lésbica processa Burger King por discriminação e assédio

Mas ele disse que desmaiou antes disso e acordou “deitado em uma poça do meu próprio sangue”. Gardiner ficou com o nariz quebrado e uma concussão como resultado do ataque: “Eu realmente não vejo por que as pessoas têm o direito de punir alguém por ser quem realmente é e feliz com quem é.”

Homem gay procura por suspeitos

Max Tweedie, diretor do Auckland Pride, disse em declaração que achou a notícia do ataque realmente angustiante. Ele disse que o mês do Orgulho é um momento para as comunidades LGBT+ celebrarem quem elas são: “Meu coração está absolutamente partido por isso”, disse Tweedie. “Estamos apenas tentando ser quem somos e viver nossos dias.”

O detetive sargento Scott Armstrong, do esquadrão criminal da cidade de Auckland, disse que a polícia estava investigando o ataque homofóbico ao homem gay e pediu a qualquer testemunha que apresentasse informações que pudesse ter, mas até então nenhum suspeito foi preso.