As estatísticas de vítimas de homofobia no Brasil crescem diariamente. Na noite da última terça-feira (12), um auxiliar de serviços gerais foi espancado dentro de um banheiro público em um terminal rodoviário no Espirito Santo. Após a agressão, o suspeito fugiu da cena do crime e não foi encontrado até o fechamento desse artigo.

Segundo relato da mãe da vítima, este teria sido acusado de estar olhando o seu agressor urinar. O agressor teria intimidado a vítima verbalmente e depois a nocauteado com uma coronhada na cabeça, seguido de chutes e pontapés. A vítima teve muitos ferimentos no rosto e na cabeça, e apesar dos ferimentos deve receber alta nas primeiras horas da manhã de hoje (15).

Ele está muito machucado. A cabeça dele pocada, costurada, o rosto muito inchado, e fora o trauma emocional, que é o pior. O machucado pode sarar, mas e a cabeça desse menino, como vai ficar daqui para diante?”, concluiu a mãe, em depoimento ao site G1.

Quando se fala em criminalização da homofobia e transfobia, a comunidade LGBT não quer privilégios, não quer se sentir superior, não quer vantagens; por isso, #CriminalizaSTF #ÉCrimeSim