O Grindr (de novo) foi criticadopor diversos grupos de apoio às pessoas que vivem com HIV por divulgar um anúncio patrocinado sobre a droga preventiva do HIV, Truvada, denominada de “enganosa” pelos ativistas do HIV.

Em 21 de novembro, Grant Roth, um especialista em saúde sexual baseado em Atlanta, Geórgia, acessou o aplicativo de namoro por meio de um anúncio da Pintas & Mullins, um escritório de advocacia em Chicago, Illinois.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O anúncio patrocinado, que apareceu na seção de bate-papo do aplicativo, dizia: “Sofreu danos por uso de uma droga para o HIV?”. Ao tocar nele abriu uma página que dizia: “Você usou Truvada, um medicamento que protege contra o HIV?”.

Truvada é a marca americana de uma pílula anti-retroviral da fabricante de medicamentos Gilead Sciences. Tomar o medicamento diário é uma forma de PrEP, abreviação de profilaxia pré-exposição, uma estratégia que evita a aquisição do HIV.

O anúncio vinculado ao Grindr afirma que Truvada tem sido “associado a insuficiência renal, fraturas ósseas e até morte, em casos extremos” antes de pedir àqueles que tiveram um “ente querido [falecido] devido aos efeitos colaterais do Truvada” para entrar em contato com a empresa.

VEJA TAMBÉM:  Como Hornet e Grindr estão ajudando a proteger gays da perseguição no Egito

O Truvada, aprovado pela Food and Drug Administration em 2004, contém dois antivirais, emtricitabina e tenofovir, e tem alguns efeitos colaterais registrados. Embora as dores de estômago possam ser comuns nas primeiras semanas de uso, os dados sugerem que a droga pode causar problemas renais e perda de massa óssea – mas isso, como os especialistas em saúde sexual procuraram enfatizar ao PinkNews, é raro.

Grindr não se pronunciou sobre o anúncio mentiroso

“Sabemos que o Truvada é muito seguro”, disse Matthew Hodson, diretor executivo do grupo de defesa do HIV aidsmap, “além de ser aprovado para PrEP, é um pilar de longa data do tratamento do HIV.

Procurado pelo Pink News, o aplicativo Grindr não respondeu sobre a publicação falaciosa e sequer retirou do ar. Não é a primeira vez que o aplicativo se envolve em questões polêmicas e não se pronuncia.