Em um movimento político histórico, a Grécia vai passar a permitir em sua lei, que casais de gays e lésbicas possam ter filhos. O parlamento do país votou e a decisão foi vitoriosa por 161 x 103 votos.

Entretanto, nem tudo são flores… (continua abaixo)


Veja também:


“O que se prevê é a paternidade natural. O que acaba de ser aprovado é uma obrigação humana a todos que querem dar e receber amor”, afirmou o primeiro ministro do país, Alexis Tsipras.

O curioso entretanto, é que a adoção continua proibida. Ao ser perguntado o motivo de se permitir conceber crianças e não adotá-las, o primeiro ministro do país, Alexis Tsipras disse que este é um outro passo, já que a adoção implica em outros procedimentos legais.

De qualquer forma, o avanço na questão da paternidade biológica deve ajudar a se discutir em um futuro próximo a questão da adoção de casais gays dentro da lei do país.

Ainda que a Grécia seja um país que costuma estar bem atrasado em relação aos direitos LGBT, a notícia é um sinal bastante positivo. Desde 2015 é permitida a parceria civil para casais homossexuais, há também leis que protegem trabalhadores LGBTs de discriminação nas empresas e pessoas trans já encontram maior facilidade legal em transicionar de gênero.

Uma pesquisa realizada em 2016 pelo instituto Dioneosis revelou que 50% da população era a favor do casamento igualitário. A maioria das pessoas a favor tinham entre 17 e 24 anos.

Já sobre a adoção de crianças, maioria é contra: 72,5% das pessoas se diz contra a ideia. Já entre jovens este número cai para 50%.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).