O ex-jornalista gay do The Guardian dos EUA Glenn Greenwald provocou forte reação online depois de tweetar uma pesquisa recente do Instituto Gallup, repetindo a bizarra afirmação de que houve uma “diminuição na população lésbica” por causa dos homens trans.

Segundo o Pink News, Greenwald chamou a pesquisa de “fascinante” sobre as populações LGBT+ nos Estados Unidos e escreveu no Twitter: “Houve uma grande explosão no número de americanos que se identificam como LGBT. Quase um em cada cinco Gen Z assim se identifica (17%). Isso é um aumento de mais de quatro vezes da Geração X (4%).

“Mas quase todo o aumento vem daqueles que se identificam como bissexuais ou trans, não gays ou lésbicas. Como a famosa lésbica Katie Herzog observa, há agora – entre os Millennials e a Geração Z – mais pessoas se identificando como trans do que como lésbicas”, completa Glenn Greenwald, “Ela já havia argumentado que meninas masculinas agora são encorajadas a se identificarem como trans, causando uma diminuição na população lésbica.”

Mais tarde, ele reiterou o mesmo ponto: “Eu mencionei o artigo de Katie Herzog sobre como a cultura lésbica está desaparecendo porque garotas masculinas que, 20 anos atrás, teriam se tornado lésbicas agora se tornam trans.”

A abordagem bizarra e imprecisa de Greenwald sobre os dados da pesquisa Gallup, bem como se referindo aos homens trans como “garotas masculinas”, gerou acusações imediatas de transfobia. A ativista Charlotte Clymer escreveu no Twitter: “Glenn Greenwald alegando que homens trans e pessoas não binárias são, na verdade, lésbicas cis que estão ‘sendo pressionadas’ a se identificarem como trans ou não binárias é a coisa mais Glenn Greenwald de todos os tempos”.

“Uma tomada flagrantemente imprecisa, revelando desconforto com o progresso que não o centraliza. As lésbicas Cis que se apresentam como masc são encontradas EM TODOS OS LUGARES em espaços queer. Em toda parte. Greenwald vive dentro de sua própria cabeça sobre questões trans e apenas surge com essa merda para explicar seu próprio desconforto, e é verdadeiramente, verdadeiramente embaraçoso de testemunhar.”

“Está claro que Glenn Greenwald realmente acredita que existem incentivos sociais significativos para ser abertamente trans”, acrescentou ela. “O que é novidade para nós que assistimos a pelo menos sete pessoas trans foram assassinadas em 2021, já a caminho de ser o ano mais mortal já registrado para pessoas trans”.

Outros apontaram que os números que Greenwald destacou literalmente mostravam que o número de lésbicas que se assumiram estava aumentando, não diminuindo. Uma pessoa escreveu: “É preciso um jornalista experiente para pegar um aumento de 75% da população e considerá-lo uma diminuição”.

Em outro tweet em seu tópico sobre a pesquisa Gallup, Greenwald escreveu: “Dos americanos que agora reivindicam identidade ‘bi’, a grande maioria deles em relacionamentos de longo prazo estão em relacionamentos do sexo oposto (33 por cento) em vez do mesmo sexo uns (3,7 por cento). Portanto, 10 vezes mais pessoas que se identificam como ‘bi’ vivem em relacionamentos aparentemente heterossexuais do que gays / lésbicas.”

Greenwald estava bem confuso com o conceito de bissexualidade, e insistiu em categorizar relacionamentos bissexuais em “hetero-aparentando” e “gays / lésbicas”, e alguns usuários do Twitter entraram em cena para ajudá-lo novamente com a matemática.

A autora Katie Mack escreveu: “Você está realmente expressando SURPRESA que pessoas com preferências de gênero não exclusivas são encontradas em relacionamentos com outras pessoas queer (<10 por cento da população) um décimo mais frequentemente do que com pessoas heterossexuais (> 90 por cento da população)?

Glenn Greenwald é um aliado?

Glenn Greenwald é um grande jornalista e tem sua contribuição para a luta e defesa da comunidade LGBTQ+ em todo o mundo, incluindo o Brasil, onde, ao lado de seu marido, David Miranda, levantou voz a favor da comunidade. Mas precisa estudar matemática e abrir sua cabeça para a existência da pessoa trans.