Inacreditável a fala de Pascale Lemare, que é simplesmente diretora do serviço de adoção da região de Seine Maritime, que fica no noroeste da França.

Em uma fala infeliz e extremamente preconceituosa, em um programa da rádio France Bleu onde foi entrevistada, ela foi questionada sobre adoção por casais homoafetivos quando respondeu: “Acredito que existem pais que respondem melhor a este critério. Penso ser complicado para um casal homossexual adotar um bebê recém-nascido saudável. Casais homoafetivos são atípicos em relação a norma biológica e social. Seria mais adequado que fiquem com as crianças diferentes.”, disse ela.

Ao ser questionada o que quis dizer por “diferente” pelos apresentadores, a diretora piorou ainda mais seu discurso ao tentar explicar: “São crianças que ninguém quer adotar. As deficientes, mais velhas ou com problemas psicológicos graves. Estas, tem muitos casais que não aceitam.”

Claro, claro. Os heterossexuais fazem as crianças e abandonam ou deixam na adoção. E aí quando gays vão lá adotar e dar carinho, amor e uma estrutura familiar a uma criança jogada fora pelos pais heterossexuais desumanos, ainda somos vítimas de segregação. Fora que, acima disso tudo, não deveria haver diferença entre adotar uma criança 100% dentro dos padrões ou não, independente dos pais serem heterossexuais ou homoafetivos. E quem nomeou este ser humano – se ainda é possível chamá-la assim – pra dirigir um centro de adoção, gente?

(continua abaixo)

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Veja também:


A fala obviamente repercutiu pessimamente no país. Alexandre Urwicz, presidente da Associação de Famílias Homoparentais da França, se disse indignado a imprensa e afirmou que procurará na justiça as medidas cabíveis a afirmação da diretora.

“Estamos horrorizados. Já suspeitávamos deste tipo de política para adoção de casais homoafetivos desta região, mas não tínhamos provas.”.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).