Um jovem gay surdo que usa o username @AlexandrovPuton no Twitter e que produz conteúdo adulto, contando com mais de 50 mil seguidores, sofreu, no último dia 6, um ataque racista, capacitista, xenofóbico e muitas outras agressões, apenas porque recusou sexo. O jovem expôs a conversa em suas redes com a legenda: “eu normalmente não trago os meus problemas pra cá mas não sejam essa pessoa”.

O Põe na Roda falou com o jovem que explicou a situação: “Conheço ele há anos, falamos pelo app, combinamos de transar e foi algo esporádico e tal. Depois tentamos marcar algumas vezes, e recentemente eu contei a ele que não estava no clima, pois um amigo querido faleceu”, conta o rapaz.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“No dia posterior ele mandou as mensagens com as agressões”, conta o jovem gay surdo que ressalta que já sofreu preconceito por ser pessoa com deficiência, que já foi convidado a sair da casa de um rapaz por “não ter avisado que era surdo” e foi tratado de forma diferente em bares, saunas e outros locais.

VEJA TAMBÉM:  Vestida de azul, Damares deixa loja por vendedor perguntar: “Você é menino?”; assista

gay surdo

“Viado, pobre, baiano” são algumas das agressões que o rapaz, que conta que faz de seus vídeos uma fonte de renda extra e está cada vez mais difícil arrumar trabalho durante a pandemia. O agressor continua: “Não é a toa que é todo cheio de problemas, não é?” se referindo à sua surdez, condição que não o impede de absolutamente nada.

gay surdo

 

Ser gay surdo não não representa nenhum problema para quem o é, o problema sempre se encontra em quem não consegue lidar com pessoas com deficiência por preconceito, limitações estruturais e por acreditar que essas pessoas não transam. O jovem finaliza que lidou bem coma situação e que só expôs o hate para que pessoas pudessem ser melhores.