Na última quarta-feira (3), José Carlos Oliveira Matos – ou Cacá como era conhecido pelos amigos) – um senhor homossexual de 57 anos, foi encontrado morto com pés e mãos amarrados, envolto em um cobertor dentro do armário de seu apartamento no centro da cidade de Curitiba.

O que seria um encontro casual com um estranho que o abordou em um aplicativo de encontros, acabou resultando na tragédia. A vítima foi golpeada na cabeça até ter traumatismo craniano, a provável causa da morte.

A maneira como ocorreu o crime e a descoberta do corpo foram reveladas primeiramente pelo portal Revista Lado A. Por volta das 6 da manhã da última quarta-feira, vizinhos ouviram barulhos vindo do apartamento. Somente ao meio dia, uma vizinha bastante amiga que ouviu os barulhos mais cedo, estranhou a ausência de Cacá, se preocupou e foi ao seu apartamento.

Ao chegar, ela foi recebida por um rapaz estranho sem camisa que afirmou que Cacá havia saído para comprar cigarro. Ele teria deixado o prédio pouco depois.

Já no período da tarde chegou uma cliente que iria cortar o cabelo com Cacá. O porteiro tentou contato e não conseguiu. Pelo whatsapp, Cacá respondeu o porteiro mas de maneira estranha, escrevendo palavras com erros de português e citações a Bolsonaro, dizendo que não atendeu o interfone pois não estava bem.

No que ambos estranharam a mensagem, o síndico foi avisado. A polícia foi chamada e o corpo encontrado dentro do armário do quarto de Cacá nas condições descritas.

O autor do crime ainda passou pelo prédio a noite e perguntou no interfone por Cacá. No que o porteiro disse que ele foi encontrado morto, o homem então exclamou “Viva Bolsonaro!” e se foi.

Print do whatsapp do porteiro e imagem da câmera de segurança que mostra o autor do crime.

Com o telefone de Cacá, o homem ainda se passou novamente pela vítima tentando entrar em contato com a amiga de Cacá que o encontrou sem camisa no apartamento mais cedo, para marcar um encontro com a desculpa de que precisava de um dinheiro emprestado.

Provavelmente ele queria matá-la pra eliminar qualquer testemunha ou prova que o tivesse visto dentro do apartamento.

A amiga, sabendo que Cacá estava morto, avisou a polícia e foi orientada a topar o encontro, que foi marcado na Praça Santos Andrade, em frente ao prédio da UFPR.


Assista também:


Chegando lá com a polícia a paisana, o assassino foi detido em flagrante armado com um facão que provavelmente seria usado para matar a mulher.

O jornalista Allan Johan, Assessor das Políticas da Diversidade Sexual da Prefeitura de Curitiba, atualmente acompanha o caso que está tendo investigação conduzida pelo delegado Luiz Alberto Cataxo, do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

Na última semana, extremamente tensa por conta da polarização política nas Eleições 2018 que pára o país, há vários relatos de incitações a crimes e ameaças que estão deixando a comunidade LGBT em pânico. Nos últimos dias por exemplo, no metrô da Sé, em São Paulo, um grupo de homofóbicos gritava: “Bicharada, toma cuidado! Bolsonaro vai matar viado”.

Vale lembrar que Bolsonaro já fez afirmações do tipo “Filho gay é falta de porrada” e “Se eu ver 2 gays na rua vou bater”.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).