Um projeto de lei que tramitava na Câmara do Uruguai garantindo mais segurança e dignidade a população trans, foi barrada devido a pressão de grupos evangélicos do país.

Após mais de um ano de tramitação parlamentar, a lei permitiria o acesso de pesoas trans com identidade, roupas e acessórios no gênero que decidisse e garantiria acesso a rede pública de saúde para cirurgias, hormonização e processos de transição.

Além disso, o projeto concederia uma indenização a vítimas da repressão durante a ditadura militar que aconteceu no país de 1973 a 1985.

O capítulo que gerou mais polêmica e dividiu opiniões foi um que autorizaria os processos de transição e acesso a cirurgias para menores de idade.

A oposição do Partido Nacional (centro-direita) exigiu a eliminação dessas disposições. A coalizão de esquerda no poder, a Frente Ampla, promove o projeto, mas, diante dos protestos, decidiu suprimir a autorização das operações cirúrgicas de mudança de sexo para os menores sem o aval de seus pais.

O argumento principal é que no Uruguai apenas 1% da população trans (tanto adulta como adolescente) se submete a esse tipo de intervenção.

O coletivo trans do país acusa igrejas evangélicas de orquestrarem uma campanha com matizes religiosos no país mais laico e com menos fiéis da América Latina. Pois é manas, se acontece lá, imagine aqui…

As principais entidades médicas apoiam o projeto, e nunca houve oposição dos políticos nem das organizações sociais do Uruguai. Por isso, a chegada de um abaixo-assinado com 40.000 adesões contra, chocou e causou alvoroço político.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).