Campanhas publicitárias tentando educar trogloditas não funcionaram.

Banir o motorista da plataforma não funciona.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Você pensa que a Uber está preocupada conosco, público LGBT?

Nem a Uber nem o motorista perdem nada com essas denúncias que fazemos dia a dia aqui ou em qualquer lugar, noticiando preconceitos de toda natureza.

Eles têm que perder os clientes, isso sim. Boicote o Uber por um mês. Chame outros tipos de plataforma ou, até mesmo táxis. Em 2017, nos Estados Unidos, a Uber perdeu em uma semana, quinhentos mil clientes por conta de denúncias sequenciais de assédio de seus motoristas contra mulheres.

Em três dias o problema estava resolvido…

Enquanto você chamar um Uber ao invés de chamar um táxi, você vai sofrer esse tipo de preconceito.

Táxi é fiscalizado, aqui em São Paulo pelo DTP-Departamento de Transporte Público.

VEJA TAMBÉM:  Enquanto o Ceará cria milícia, São Paulo dá exemplo contrário | Direitos LGBT

Se, graças à nossa militância e à expertise do Dr. Paulo Iotti, a homofobia foi considerada crime pelo Supremo Tribunal Federal, um motorista de táxi que praticar o crime, perde seu alvará ou licença de trabalho.

Esse alvará custa uma fortuna.

Quanto custa para ser motorista de UBER? Nada, apenas um cadastro feito pelo celular, se tanto.

Um motorista de táxi foi treinado, participou de cursos, tem seu alvará há anos, e não é um cara que perdeu o emprego e pegou seu carro para faturar um dinheiro se auto proclamando empreendedor individual.

O motorista de táxi é mesmo um agente de transporte público e pode ser punido pelo Poder Público e perder muita coisa se for cassada sua licença.

Antes de chamar o próximo UBER, chame um táxi, há vários APP’s que fazem isso e recebem com cartão de crédito, de débito e em dinheiro no próprio carro.

VEJA TAMBÉM:  Lei que criminaliza homofobia e transfobia no Estado de SP completa 17 anos

Não há desculpa para continuar sendo discriminado por uma empresa que não se emenda…