Uma escola nas Filipinas está sendo alvo de protestos depois de  afirmar que funcionários podem ser demitidos e alunos expulsos por se envolverem na “imoralidade da homossexualidade”.

Segundo publicado pelo Pink News, o Assumption College-Iloilo, uma escola católica dirigida pelas Irmãs das Religiosas da Assunção na cidade de Iloilo, deu o aviso em sua política de recrutamento e nos documentos de inscrição que foi denunciada.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo revelado pelo portal britânico Pink News, o manual de regras da instituição diz: “Imoralidade, que se refere a atos que são contrários à moral católica, ensinamentos e valores conforme definidos, descritos e / ou discutidos no Catecismo da Igreja Católica, incluindo, mas não se limitando a … homossexualidade … é considerada uma ofensa grave passível de punição”.

VEJA TAMBÉM:  Homicídio de lésbicas cresce em todo o país; estudo pioneiro cria mapa da violência

A política discriminatória foi duramente criticada por pessoas LGBT+ e aliados nas Filipinas. Mais de 80 grupos e indivíduos LGBT + assinaram uma carta aberta à escola dizendo que isso é imoral.

“Quando uma instituição educacional valoriza seu nome e reputação acima de defender a vida e a dignidade de seus alunos, isso mostra que ela defende o preconceito em vez da justiça, o ódio em vez da compaixão”, disse o comunicado.

A carta ainda afirma que os grupos ouviram histórias de discriminação anti-LGBT + de ex-alunos da escola. “Na verdade, muitos deles têm medo de ser ‘descobertos’ ou ‘descobertos’ na Assunção Iloilo.”

E continuam: “Se estamos empenhados em buscar os mais altos padrões de educação para nossos alunos, devemos reconhecer que a criação de um ambiente seguro e não discriminatório é a base para isso”.

VEJA TAMBÉM:  Céline Dion, Demi Lovato, Melanie C, Britney Spears participam de vídeo dedicado aos LGBTI+ mortos por crimes de ódio no Brasil

A carta finaliza dizendo: “Não podemos ter a pretensão de oferecer aos nossos alunos a mais alta qualidade de educação, pois continuamos cúmplices e nos recusamos a erradicar a violência que os alunos LGBTQ + enfrentam em nossas instituições todos os dias.”

Os signatários encerraram a carta exigindo que a escola elimine sua cláusula de imoralidade e dê as boas-vindas a todos os alunos e funcionários independente de gênero ou orientação sexual..

“Como uma escola católica que professa defender a justiça sem fronteiras, a Assunção Iloilo deve ser uma com a comunidade LGBTQ + na criação de um mundo de igualdade genuína.”

E agora vem o pior da história: a escola respondeu aos protestos em um comunicado publicado em seu site onde afirma que sua política não é discriminatória, sugerindo que há diferença entre os “atos” de uma pessoa e sua “condição”

VEJA TAMBÉM:  Homem flagrado agredindo mulher trans em Paris é condenado a 10 meses de prisão

Ou seja, segundo o informativo pulicado da escola, “tudo bem ser LGBT, mas não pode ‘parecer’ ou ter práticas LGBTs”, como qualquer tipo de relacionamento ou atitude que denote. Pode ser gay sim, mas não dê pinta, esconda! Ou em outras palavras: viva se reprimindo.

Até agora não houve resposta dos grupos de ativistas LGBTs ao posicionamento da escola. Bem que caberia uma medida jurídica, né?

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).