A Suécia rejeitou o pedido de asilo a um jovem gay de 19 anis que agora teme ser executado em seu país, o Irã, onde ser gay é crime.

Mehdi Shokr Khoda, que também se identifica como Christian, foi forçado a assinar um documento dia 9 de julho para dizer que tem três semanas para deixar o país. Se ele não o fizer, ele pode ser deportado a qualquer momento.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O Gay Star News viu o documento de rejeição do Tribunal de Migração Sueco. Ele foi rejeitado sob alegação de que “não há novas provas”, segundo autoridades suecas, após os pedidos de asilo anteriores. 

As autoridades suecas, confusamente, também disseram que a atenção da mídia internacional em seu caso provavelmente não será considerada no Irã, outra alegação do rapaz para ficar no país onde vive de maneira mais segura.

“Não posso viver como gay no Irã. Eles não vão entender. Só vão me matar!“, disse Mehdi ao Gay Star News.

Na foto abaixo vemos ele e o namorado, Carlo Rapisarda, de 23 anos, originário da Itália. Os dois estão juntos há cerca de 18 meses vivendo na Suécia.

Mehdi e o namorado.

Mehdi seguiu sua irmã transgênero, que fugiu para Estocolmo do Irã há alguns anos. Por ter recebido asilo, ele viajou para a Suécia em 2017, na esperança de receber a mesma proteção. Seus pais desconhecem a verdadeira orientação sexual ou de gênero de seus filhos.

VEJA TAMBÉM:  Agredido e xingado, casal gay sofre homofobia por motorista de aplicativo

Mehdi conheceu Carlo no Tinder em janeiro do ano passado. Os dois rapidamente caíram um para o outro e se mudaram um para o outro depois de seis meses. No final do ano passado, o Conselho de Migração rejeitou o pedido de Mehdi, pois achavam que ele estava mentindo.

Eles apelaram da decisão e compareceram ao tribunal no final de janeiro de 2019. Carlo testemunhou sobre seu relacionamento. “Eles querem provas”, disse Carlo. “Nós vivemos juntos, nos amamos, nos conhecemos há muito tempo. Isso não é prova suficiente?”, alegou.

O casal também recebeu uma carta da Federação Sueca para os direitos LGBT. Dizia: “Não há dúvida. Medhi é gay e precisa de proteção.” Ainda assim, eles foram mais uma vez rejeitados dizendo que Mehdi foi incapaz de explicar o seu processo de sair do armário.

Temendo por sua vida, Mehdi falou com o Gay Star News e outros meios de comunicação em fevereiro. O governo da Suécia questionou por que Mehdi só foi batizado quando chegou a Estocolmo. Eles também disseram que os “pensamentos e reflexões” de 19 anos sobre o cristianismo estavam faltando.

VEJA TAMBÉM:  Jogador beija namorado em campo em protesto a colega homofóbico

Mehdi disse que sua fé é particular, algo que ele aprendeu a fazer no Irã. O casal também culpa seu pedido de asilo original recusado por um intérprete terrível que o traduziu erroneamente.

Mehdi recebeu apoio da comunidade e ativistas LGBTs da Suécia.

Agora a vida de Mehdi corre perigo, já que ele pode ser deportado a qualquer momento. “Se qualquer policial ou oficial me parar, não vão entender minha situação e vão me mandar embora”, afirma o garoto.

Eles também poderiam se casar para resolver a situação. No entanto, a intenção de casar deve ser apresentada com 21 dias de antecedência. “Infelizmente não temos idéia de como organizar tudo isso em tão pouco tempo”, disse Carlo à GSN.

O casal se encontrou com um advogado que garantiuque a deportação não poderia acontecer tão facilmente: “[Mehdi] não será colocado em um avião com força, desde que ele não cometa nenhum crime. Claro, ele ainda estaria em situação irregular, o que significa que ele não pode trabalhar, estudar e tem seguro de saúde limitado ou nenhum”, disse o namorado ao GSN.

VEJA TAMBÉM:  STF inicia julgamento contra ação do movimento Escola Sem Partido

“O advogado nos disse que podemos realmente recorrer dessa última decisão, pressionando o fato de que os artigos de notícias representam um obstáculo para a expulsão”, informou ele à reportagem.

Os dois agora desejam começar suas vidas juntos. Mehdi quer terminar a escola, arrumar um emprego e começar uma vida onde ele é livre para ser gay e cristão: ”Eu gostaria de ser um farmacêutico – fazer remédios – para melhorar as pessoas”, disse ele.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).