O Ministério Publico de Barcelona, na Espanha, pediu nove meses de prisão para o segurança de um fast food. O vigilante permitiu que uma jovem fosse atacada dentro do estabelecimento.

O MP pediu 18 meses de prisão e uma multa de nove meses com taxa diária de 12 euros para o agressor. A promotoria entendeu que o segurança não interrompeu o ataque homofóbico.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Promotor pede prisão de segurança que não evitou ataque homofóbico
Promotor pede prisão de segurança que não evitou ataque homofóbico (Foto: Reprodução/Twitter)

” Eu vou te mandar direto para o inferno”, disse o agressor enquanto empurrava a vítima, segundo o Crônica Global.

O ataque homofóbico aconteceu no Dia do Orgulho Gay de 2019. Os fatos ocorreram quando a vítima escolhia seu pedido nas máquinas de autoatendimento do estabelecimento.