O Ministério Público do Trabalho de Goiás recebeu na segunda-feira (27) a formatura de quinze pessoas em situação de vulnerabilidade, entre elas estavam presente membros da comunidade LGBTI+, com gays, travestis e transexuais, além de também contar com prostitutas e mulheres vítimas de violências doméstica.

O curso técnico “Mais um sem dor” durou cerca de três meses e equiparam as pessoas que participaram nas áreas de costura e design de moda. Além das aulas práticas, a ação ainda ofertou palestras em áreas de interesse, como empoderamento feminino, arte e treinamento com coaching.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O procurador Tiago Ranieri, que coordena o projeto, afirma que “Teremos mais oito edições na capital ao longo do ano e também vamos incluir pessoas refugiadas. Além da área de costura e design de moda, também haverá outras duas: construção civil e cozinha e panificação. Vamos fazer ainda duas edições no interior: em Itumbiara e Cavalcante”.

VEJA TAMBÉM:  Destemido, garoto leva namorado como par ao baile de formatura da escola

“Foi maravilhoso, todos estão apaixonados pelo curso. Participamos de coisas que nunca teríamos como pagar, como um curso em uma galeria de arte e treinamento com coaching. Para todos, deu uma expectativa de melhor qualidade de vida. Serve para pensar fora da gaiola em que vivemos”, relata a costureira Allegra Maazel, de 35 anos, que é travesti.

Foto: Diego Padgurschi