A jornalista e ativista LGBT+, Lyra McKee, foi morta a tiros enquanto relatava protestos em Londonderry, Irlanda do Norte, no dia 18 de abril de 2019, no bairro católico de Creggan.

Lyra havia assinado recentemente um contrato de dois livros com a Faber & Faber, incluindo uma obra de jornalismo investigativo intitulado The Lost Boys, sobre oito garotos que desapareceram em Belfast durante o The Troubles.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

McKee estava planejando pedir a namorada Sara Canning em casamento durante sua próxima viagem a Nova York, mas a violência em Londonderry reduziu o tempo das duas juntas.

Paul McIntyre, 52 anos, foi acusado em fevereiro pelo assassinato de McKee, além do porte de uma arma de fogo e pela participação em uma organização proibida, o IRA. Três outros homens também foram presos sob a Lei do Terrorismo em conexão, depois que o Novo IRA assumiu a responsabilidade pela morte da jornalista.

VEJA TAMBÉM:  Corpo encontrado no Rio Piracicaba é de transexual desaparecida em Ribeirão Preto (SP)

Sara Canning foi as redes sociais relembrar a morte da amada, ela escreveu no Twitter: “Em outra vida, Lyra e eu não voltamos há muito tempo de nossa jornada ao acampamento base do Everest e vamos nos preparar para seu aniversário de 30 anos amanhã. Naquela vida, The Lost Boys terminou, estamos noivas e felizes. De vez em quando é bom acreditar em universos paralelos”.

O tweet de Sara Canning foi recebido com uma onda de amor e apoio daqueles que ainda lamentam a morte de Lyra McKee.

Uma pessoa escreveu: “Penso em vocês duas todos os dias. Espero que você possa continuar forte. E espero que daqui a 30, 40 anos eles ainda estejam falando sobre a bondade e o brilho dela”.

Outro disse: “Isso é bonito e doloroso. Eu não conheço você ou Lyra, mas ela ainda é tão vívida e relevante e sua bondade e sabedoria vivem em você, naqueles que a amavam, em suas palavras e seus escritos”.

VEJA TAMBÉM:  Professor gay é demitido de escola católica após descobrirem sua sexualidade

McKee teve muitas conquistas durante a sua vida, incluindo uma carta viral que ela escreveu para seu eu de 14 anos de idade. Desde sua morte, o casamento entre pessoas do mesmo sexo foi legalizado na Irlanda do Norte – mas McKee infelizmente não pode ver isso acontecer.