Na última segunda-feira (24), a Polícia Militar do Rio de Janeiro fez dois cordões de isolamento em volta da ONG Casa Nem para realizar o despejo do imóvel.

O ato da PM gerou uma manifestação em frente ao local para tentar impedir a desocupação do imóvel que fica na Rua Dias da Rocha, 27, em Copacabana. Uma manifestação online também foi iniciada pela influenciadora Alina Durso através das hashtags #CasaNemViva e #CasaNemResiste no Twitter.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Pois bem, após as manifestações o governo do estado do Rio de Janeiro e a Casa Nem entraram em um acordo. O governo concedeu uma escola em Copacabana como um espaço temporário para abrigar os moradores da ONG.

“Foi destinada uma escola em Copacabana, para abrigar temporariamente moradores da CasaNem, o espaço não é viável para que se possa esperar que o local cedido em Laranjeiras esteja pronto. Estamos com atividades paradas incluindo acolhimentos.
Esperamos que os acordos sejam cumpridos! CASA NEM CASA VIVA! 🌈 ✊ NENHUM DIREITO À MENOS”, postou o perfil oficial da ONG em seu Instagram sobre a proposta.

VEJA TAMBÉM:  Homofobia e Transfobia agora são crimes com pena de 3 anos de prisão na Suíça

A  Casa Nem através do seu perfil oficial no Instagram, fez um post comentando sobre o acordo e também afirmou que devido a toda essa problemática estão com todas as  atividades suspensas, incluindo novos acolhimentos.

Uma nova campanha começou a ser feita através das redes sociais, para pressionar o governo a cumprir o combinado. “Nos ajude a subir a hastag ‘#CASANEMRESISTEGOVERNOSCUMPRAMOACORDO”, diz um post feito no Instagram da ONG.

Quem puder ajudar, a CasaNem disponibilizou também em seu Instagram uma conta bancária para receber doações. Veja abaixo:

View this post on Instagram

#AJUDEACASANEM 🌈

A post shared by CasaNem (@casanem_) on

 

Maikon Stefan
Amante do teatro, tv e de Harry Potter, formado em Técnico em Administração e Bacharel em Ciência e Tecnologia (UNIFESP-SJC). Atualmente cursa Engenharia de Materiais (UNIFESP-SJC). Também foi Presidente da Empresa Júnior (Ectm Jr). "Me chama pra causar que eu vou".