Ainda ontem, num programa de rádio em que eu estava aqui em São Paulo enalteci a iniciativa do Tribunal de Justiça de São Paulo de criar o programa Adote um Boa Noite. O programa incentiva a adoção de crianças acima de sete anos de idade porque, os candidatos a adotantes não querem crianças nessa faixa etária. A campanha do tribunal é no sentido de encorajar as pessoas a terem a quem dar um boa noite, depois da adoção.

As fotos das crianças constam do site e, muito embora o cadastro de adotantes tenha mais de quarenta mil pessoas na fila, há mais de nove mil crianças para serem adotas. Como assim? Se tem menos crianças do que pretendentes à adoção isso não seria um contrassenso? E é: no Brasil os adotantes querem crianças brancas, de até hum ano de idade e, não querem adotar as que têm irmão ou irmãos.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Todo esforço é válido mas hoje, acabo de ler uma matéria sobre um desfile de modas num shopping de Mato Grosso, promovido por uma associação de incentivo à adoção com apoio da OAB-MT que, pôs as crianças “adotáveis” para serem modelos num desfile. Até aí, não tem grande coisa porque, as crianças puderam ter a experiência de desfilar, de se divertirem, etc. Todavia, alguns psicólogos estão malhando a associação e a Ordem dos Advogados, comparando o desfile a um mercado de escravos em que eles eram exibidos para a compra pelos senhores de engenho.

VEJA TAMBÉM:  Sem casamento na lei, casais gays da China estão nomeando parceiros como “guardiões legais”

Ora, faça-me o favor! Quem está apto a adotar não se interessou por aquelas crianças e nem as quis ver. Um desfile como esses, pode dar exposição às crianças e chamar a atenção da sociedade para a adoção tardia.

Não vejo nada de errado, até porque nenhuma criança ia sair dalí abraçada com seus novos pais, Errado é deixá-las enfurnadas dentro dos abrigos de crianças, escondidas da sociedade e, não dando a elas a oportunidade de encontrarem algum casal hétero ou gay, interessado em adotar e que ainda não faz parte do Cadastro Nacional de Adotantes. 

Os psicólogos que estão malhando a associação e a OAB-MT têm se empenhado em divulgar o número de crianças e adolescentes que estão prontos para a adoção? Eles têm feito campanhas educativas do quanto é legal dar um boa noite para alguém, nos moldes do que tem feito o Tribunal de Justiça de São Paulo? Eles têm preparado casais e a própria sociedade para deixarem de preconceitos em adotar crianças com mais de sete anos de idade?

VEJA TAMBÉM:  Pesquisador da ONU defende a proibição em todo o mundo de “cura gay”

Sempre vai haver uma horda de pessoas cagando regras de todo tipo sobre qualquer iniciativa que seja boa para as crianças. Mantê-las escondidas dentro de abrigos é muito pior porque não são as pessoas que devem escolher as crianças mas, as crianças adotáveis é que devem se adaptar aos novos pais.

No shopping, onde ocorreu o desfile, as crianças estavam tendo seu dia de princesa e príncipe, participando de uma atividade lúdica e, não estavam expostas à venda. De outro lado, alguém pode ter tido dentro de sí o despertar de uma sensação boa de querer adotar uma criança ou adolescente por conta dessa simples iniciativa que, não era um mercado de escravos mas, um grito da associação para conscientizar a sociedade brasileira de uma forma geral, de que crianças maiores podem e devem ser adotadas para que você tenha a quem dar um boa noite.

VEJA TAMBÉM:  Lady Gaga fala sobre ataque de Trump aos direitos trans: "Ele é guiado pela ignorância!"

Casais gays têm tido cada vez mais vez nessas iniciativas de adoção porque, o ECA-Estatuto da Criança e do Adolescente permite a adoção até por uma pessoa solteira ou, que tenha uma relação homoafetiva estável. O Poder Judiciário, através das Varas de Infância e Juventude também tem sido muito sensível às adoções por casais gays. Um lar harmonioso é o que se quer para as crianças, seja ele heterossexual ou homossexual. Vale ter amor dentro de casa e amor no coração para dividir com uma criança parte de nossas vidas. Digo parte, porque eu que sou pai e é muito rápido o período da vida que passamos com nossas crianças, nossos adolescentes e nossos filhos adultos. Se bem criados, logo eles deixam o ninho e, sentimos além de amor, aquela sensação de dever cumprido que preenche qualquer vazio existencial que se possa ter na vida.

 Pense nisso: quem sabe, adotar seja uma coisa boa para o seu coração e coração do seu parceiro? Crianças maiores de sete anos estão aguardando com o coração cheio de amor para dividir com você!