A assessora Lana de Holanda, que integra à equipe de gênero do gabinete da deputada Monica Francisco, do PSOL, é a primeira mulher trans a conquistar o direito de utilizar um crachá com o nome social na Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

“O nome é algo tão básico para qualquer ser humano, né? Você ter o seu nome de acordo com o seu gênero, de acordo com quem você é. E para a gente, que somos mulheres trans, travestis, homens trans, é muito importante que tenha um nome feminino que defina”, declarou Lana ao G1.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Ainda na entrevista, Lana falou sobre as portas que essa conquista pode abrir para outras pessoas trans que trabalham na Alerj. “É importante que a partir da conquista do meu crachá, se crie mecanismos para que outras pessoas trans que venham trabalhar aqui tenham também seus nomes sociais respeitados no crachá. Tem um preconceito que é muito simbólico, que é você não ver outras pessoas como você trabalhando aqui”, afirmou.

VEJA TAMBÉM:  Série de animação sobre corpos masculinos traz episódio com homem trans; assista
Imagem/ Reprodução TV Globo

Além da função atual na Alerj, Lana também já trabalhou no gabinete da então vereadora Marielle Franco (Psol), que foi violentamente assassinada em março do ano passado.