Em uma fala histórica, o Papa Francisco deu mais um exemplo da mudança de postura da Igreja Católica em relação aos homossexuais.

Em conversa reservada com o chileno Juan Carloz Cruz, que esteve conversando com o Papa na semana passada, segundo publicado pelo maior jornal em circulação da Espanha, o ‘El País’, em seu encontro, Juan ouviu do Papa: “Juan Carlos, não importa se você é gay. Deus te fez assim e te ama como você é. Eu não liga pra isso! Te amo assim. Você tem que ser feliz sendo quem você é.”

O encontro de Juan Carlos com o Papa não se deu à toa. Na infância, o rapaz foi abusado sexualmente por um padre pedófilo. O jovem conseguiu o encontro e foi conversar com o Papa sobre o assunto.

O padre que abusou de Juan, Fernando Karadima, hoje tem 87 anos e foi considerado culpado pelo Vaticano. A decisão também é um marco histórico, uma vez que o Vaticano durante muitas vezes na história, fechou os olhos a muitas destas denúncias sem apurar devidamente os fatos ou responsabilizar os verdadeiros responsáveis.

Vale lembrar que esta não é a primeira vez que que o o Papa Francisco tem uma atitude muito mais aberta e tolerante em relação à homossexualidade do que os Papas antecessores, ainda que mesmo nos dias de hoje e historicamente, a religião católica considere o sexo entre duas pessoas do mesmo gênero, um pecado. Pelo menos ainda. Mas parece que o jogo – após séculos de perseguição e muito sangue derramado pela intolerância religiosa – finalmente parece estar virando.

(continua abaixo)


Veja também:


Em julho de 2013, em resposta à pergunta de um repórter sobre a existência de um suposto “lobby gay” dentro do Vaticano, o Papa Francisco disse: “Quem sou eu para julgar?”.


Assista também:


Em outra ocasião, o pontífice também afirmou em um aviso a todos os líderes da igreja, que a instituição deve ter suas portas abertas aos fiéis homossexuais, que não devem ser julgados por isso, mas sim amados como Jesus ensinou.

(continua abaixo)


Veja também:


Outro exemplo da mudança de postura do Vaticano é o padre James Martin, um jesuíta de Nova York que tem quase 200 mil seguidores no Twitter e é um dos líderes católicos esforçados em se incluir o tema da diversidade na igreja, um vespeiro ainda atualmente. Mês passado ele foi escolhido para o cargo de consultor do secretariado do Vaticano para as comunicações.

Em seu livro, “Construindo uma ponte”, ele afirma que “o ônus da Igreja é fazer com que os católicos LGBT se sintam bem-vindos dentro dela e que se pare de discriminar as pessoas com base em sua “moralidade sexual”.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).