Alexander Donskoy, um artista performático russo, gay e ex-prefeito da cidade de Arkhangelsk, ganhou as manchetes esta semana ao enviar, pelos ares, uma bandeira LGBT gigante em direção ao Kremlin em Moscou como um ato de protesto. Pra quem não sabe, Kremlin é onde fica a residência oficial do Presidente da Federação Russa.

A bandeira, que foi içada por dezenas de balões coloridos na Praça Manezhnaya, enviou uma mensagem clara ao governo russo, que continua a aplicar a chamada lei “anti-propaganda gay” desde 2013.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Desde então, é proibido no país qualquer manifestação que fale em diversidade, como por exemplo, falar publicamente ou usar uma roupa, bandeira, objeto, nas cores do arco-íris, ou qualquer coisa que o governo russo do presidente homofóbico Vladmir Putin considere ”fora dos valores familiares tradicionais”.

Veja no vídeo abaixo a bandeira voando pelo país:

VEJA TAMBÉM:  Bandeira LGBT com + 2 cores será usada oficialmente em Manchester; entenda

Segundo informou a OUT Magazine, já há sete anos, essa lei tem sido usada para multar e, em alguns casos, prender pessoas LGBTQ + por simplesmente se expressarem como são.

Donskoy, que foi prefeito de 2005 a 2008, não é estranho à polêmica. Enquanto estava no cargo, ele se tornou o primeiro político russo a anunciar uma candidatura à presidência na corrida de 2008.

Naquela época, em 2007, ele foi preso sob acusações de crimes econômicos e abuso de poder. Ele acabou sendo condenado a três anos de liberdade condicional, mas muitos afirmam que sua prisão teve motivação meramente política.

Durante sua ausência da esfera política, Donskoy tornou-se conhecido como artista plástico. Ele se assumiu como gay publicamente em outubro de 2017 e desde então tem usado sua voz para lançar luz sobre a agenda anti-LGBTQ + de Putin.

VEJA TAMBÉM:  Hong Kong legaliza casamento gay graças a ação de uma lésbica; entenda

Em entrevista à Novaya Gazeta, o ex-prefeito explicou que, ao hastear a bandeira do arco-íris perto do Kremlin, está enviando uma mensagem a Putin, que nas últimas semanas criticou as embaixadas estrangeiras por pendurarem bandeiras do Orgulho fora de seus edifícios.

Além disso, ele queria lembrar que sua galeria, que fica em Moscou, foi destruída por assaltantes desconhecidos.

No início deste ano, Donskoy revelou imagens de seu novo projeto chamado “Putin é a Rússia?” antes que a polícia o forçasse a retirá-lo. O projeto, que exibia Putin como um “super-herói”, pretendia mostrar os bons laços entre as cidades de Ancara e Moscou, apesar das diferenças políticas.

“Queria chamar a atenção para como Putin é visto na Rússia: como um super-herói. Então, escrevi sobre os retratos ‘Putin é um super-herói’ ”, disse Donskoy à Reuters.

Na época, Donskoy disse que queria que seu trabalho provocasse emoções nas pessoas e visse suas reações: “Haverá mais [exposições de arte] nos países da democracia ocidental. Então, vou mostrar que o povo russo considera as sanções contra Putin como sanções contra si mesmo ”, disse ele. E concluiu: “Sou um embaixador da paz.”

VEJA TAMBÉM:  Escola demite professor que desrespeitava identidade de gênero de aluno trans por "razão religiosa"

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo sobre como é ser LGBT na Rússia:

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).