Até o ano passado o sexo gay era motivo de prisão perpétua na Índia. Em 2018, a Suprema Corte do país aprovou, finalmente, depois de uma intensa luta de ativistas locais a descriminalização da homossexualidade.

Agora, podendo viver um pouco mais livremente a própria sexualidade, uma rapaz, que preferiu manter o anonimato já que a LGBTfobia ainda é intensa no país, relatou em uma artigo publicado pela GQ como é a vida de um homem bissexual.

João, que é como vamos batiza-lo aqui, descobriu que se sentia atraído por homens e mulheres em 2003 quando ainda estava na faculdade. Ele diz que isso o assustou em um primeiro momento.

De repente, tive que encarar essa realidade de que não era como os outros. Acrescente isso ao fato de que eu não era apenas gay. Ser bissexual significava que eu era uma minoria dentro de uma minoria. Como lidar com isso?“, conta ele.

Sua namorada na época o abandonou no momento em que ele se assumiu bi. E seus amigos responderam com “comentários sem graça” sobre bissexuais:

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“‘Você pode aproveitar o melhor dos dois mundo’, era o que eu mais ouvia. Alguns sugeriram que eu saísse com diversos homens e depois me casasse com uma mulher. Houve também aqueles que disseram que era apenas uma fase. Basicamente, ninguém me entendeu de verdade“, explicou.

Assumidamente bissexual a mais de 15 anos, o rapaz diz que continua se sentindo sozinho e incompreendido e que namorar ainda é um desafio:

Estou muito infeliz nesse departamento. A maioria dos homens e mulheres de quem gostei não quiseram se envolver muito. […] Os homens temem que, eventualmente, eu queira me casar e procurar uma mulher, e as mulheres têm medo de que eu seja apenas gay“.

Sua família também teve dificuldade em aceita-lo como ele é.

Meus pais ainda estão em negação sobre minha sexualidade“, explica ele. “Sim, mesmo depois de todos esses anos. Eles têm muita esperança de que um dia voltarei a ser hétero – mesmo que isso demore 40 ou 50 anos”.

João, também comenta sobre os preconceitos dentro da própria comunidade LGBT e a falta de um movimento político que discuta pautas referentes a bissexualidade:

Membros da comunidade LGBTQ+ não ligam tanto pra você uma vez que você não é exclusivamente gay. Existem alguns movimentos gays organizados politicamente, mas, quantos bissexuais você conhece que está lutando por seus direitos?

O rapaz finaliza o artigo questionando porque as pessoas tem tanta dificuldade em entender a bissexualidade e ainda revela que ser bissexual não é tão divertido como todos pensam:

Assim como uma pessoa heterossexual é atraída pelo sexo oposto, uma pessoa bissexual é atraída por ambos os sexos. Quão difícil é entender isso? E para todos aqueles que acreditam que os bissexuais estão se divertindo, espero que entendam o quão difícil é sair para um encontro. A maioria das pessoas o rejeita antes mesmo de conhecê-lo, porque não pode lidar com sua sexualidade. Isso certamente não é divertido!“, finaliza.

É, aparentemente, homens bissexuais da Índia sofrem dos melhores problemas que todos os outros bissexuais do mundo.
Já reveu sua bifobia hoje?