Ativistas conservadores declararam os Ritz Crackers um inimigo na “guerra cultural”, após um comercial de Natal apresentando um casal gay veiculado na V e nas redes da marca.

A marca lançou um anúncio comovente “Onde Há Amor, Há Família” no mês passado, com várias pessoas encontrando conexão com o isolamento – incluindo um homem que é rejeitado por seus pais, mas encontra um lugar feliz com seu parceiro e família escolhida.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

O comercial de natal parte de uma parceria com organizações sem fins lucrativos que inclui o projeto It Gets Better, remete à ideia do que significa família, concluindo: “As férias são para passar tempo com a família, ou a família que você escolhe”.

Embora haja muito pouco no anúncio para se ofender, isso não impediu que ativistas conservadores anti-LGBT+ bombardeassem o anúncio com mensagens de ódio. Ele acumulou mais de 6.000 dislikes no YouTube e centenas de mensagens odiosas no Facebook.

VEJA TAMBÉM:  (VÍDEO) Casal anuncia adoção com carta inspirada em Harry Potter; emocionante

Comercial de natal é chamado de nojento

“Isso é nojento! Por que você está promovendo a homossexualidade? Isso é nojento. Que vergonha, Ritz, estou jogando fora todos os meus biscoitos. Você perdeu um cliente pra sempre”, disse um consumidor da marca.

A American Family Association (AFA), um grupo de lobby ultraconservador, declarou guerra à empresa, atacando a representação do anúncio de um homem “passando batom como uma mulher e afeminadamente agarrado a outro homem”, alegando que é intencional para “fazer lavagem cerebral em crianças e adultos, dessensibilizando o público”.

A AFA lançou uma campanha de pressão em grande escala dizendo à empresa para “ficar longe das agendas sociais” encorajando os apoiadores a enviarem uma reclamação escrita dizendo a Ritz que o anúncio “vai influenciar minhas futuras compras”.

“A Ritz está promovendo a agenda LGBTQ+ nas famílias com seu comercial mais recente. Pessoas que já estão confusas sobre sua identidade de gênero não devem ser encorajadas a embarcar em um estilo de vida perigoso e pouco saudável”, diz o protesto.