Desde que Barack Obama deixou a presidência dos Estados Unidos, sob comando de Donald Trump nunca mais a Casa Branca comemorou em junho o Mês do Orgulho LGBT, como já acontecia há alguns anos.

Ao contrário disso, Trump clama junho como “Mês Nacional do Oceano”e “Mês Nacional da Propriedade” no tradicional discurso do presidente que ocorre todo início de mês nos Estados Unidos aos jornalistas na Casa Branca.

“Fizemos um progresso incrível para os direitos LGBT na última década. Mas ainda enfrentamos obstáculos à igualdade em toda a nossa sociedade – dos banheiros às urnas. Todos os dias, Trump e os republicanos no Congresso, na Casa Branca e em nível estadual e local estão tentando voltar atrás em relação aos direitos LGBT já conquistados”, disse o ativista Tom Perez.

Bill Clinton foi o primeiro presidente a fazer formalmente uma proclamação do Mês do Orgulho LGBTQ em 1999 pelo 30º aniversário da revolta de Stonewall que acabou gerando a Primeira Parada LGBT da História.

Ele então voltou a fazê-lo em 2000. Como era de se esperar, o republicano George W. Bush nunca proclamou junho como o Mês do Orgulho LGBT. Enquanto isso, Barack Obama proclamou o Orgulho LGBT de junho a cada ano de sua presidência, de 2009 a 2016.

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).