O sorvete Magnum veio a público se desculpar por um comercial controverso onde comparava a culpa de comer um sorvete a opressão em países com leis anti-LGBT, em uma tentativa falha de se falar em LGBTfobia, mas que acabou tendo o tiro saído pela culatra e sendo de extremo mau gosto.

A propaganda, veiculada em anúncios do Spotify e rádios trazia um locutor com medo de ser gay em seu país dizendo: “Um abraço em meu namorado. Este é meu pecado!”.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

E continuava: “Porque no meu país, um simples abraço com o homem que amo pode me mandar pra prisão por mais de 10 anos!”.

O comercial então comparava a culpa e o prazer de se realizar o desejo de abraçar o namorado gay com a culpa e o prazer de se apreciar um Magno. Bem insensível e sem qualquer comparação, né?

VEJA TAMBÉM:  Após ser transfóbico, apresentador da Band, Milton Neves, bloqueia LGBTs nas redes sociais

“Por que diabos o Magnum está comparando viver sendo gay em um país homofóbico com experimentar um sorvete de chocolate?”, disse um internauta no Twitter em uma das milhares de reclamações ao anúncio.

“@MagnumIceCream, sua propaganda comparando o risco de ser morto por ser gay em um país com a culpa por comer um Magnum é nojenta e homofóbica. Revejam isso urgente!”, disse outro.

Após o feedback negativo, a Magnum veio a público se desculpar: “Sentimos muito pelos que se ofenderem pelo comercial, cujo intuito era conscientizar as pessoas sobre as injustiças que LGBTs ainda sofrem ao redor do mundo.

VEJA TAMBÉM:  “Vamos acabar com o cocô no Brasil!!”, grita Bolsonaro sendo aplaudido por fanáticos; assista

Fica a dica aos publicitários: ter um LGBT consciente na equipe de criação é fundamental. A propaganda certamente foi criada por héteros completamente insensíveis à causa e ao que é ser LGBT de fato, vivendo com medo em um mundo LGBTfóbico.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).