O Facebook se recusou a tomar medidas em postagens LGBTfóbicas, segundo noticiado pelo portal britânico Pink News.

Ativistas LGBT + no Oriente Médio e Norte da África (MENA) pediram ao Facebook para combater o discurso de ódio em postagens que chegavam a pedir o assassinato de pessoas LGBTs.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Porém, a plataforma respondeu as denúncias afirmando que o conteúdo “não feria os padrões da comunidade”. Quem nunca passou por isso no Facebook ou Instagram, não é mesmo?

Ativistas e grupos de direitos autorais escreveram uma carta aberta ao Facebook após a morte de Sara Hegazy, uma ativista LGBT + egípcia que foi presa e torturada por levantar uma bandeira do Orgulho em um show e depois morreu tragicamente por suicídio.

A carta dizia: “Embora a comunidade MENA LGBTQI+ tenha relatado milhares de publicações em árabe sobre discursos de ódio, a maioria desses relatórios foi recusada porque segundo a resposta da plataforma, o conteúdo ‘não contradizia os padrões da comunidade do Facebook'”.

Eles continuaram: “Isso se deve à implementação frouxa de políticas eficazes de discurso contra o ódio para gerenciar a plataforma em nossa região, o que torna a plataforma insegura para as minorias sexuais.

Embora o direito à igualdade de tratamento e à não discriminação seja um direito fundamental consagrado nos tratados e convênios internacionais, deve-se garantir a existência de um mecanismo para garantir que as queixas das vítimas de discurso de ódio na região sejam examinadas sem violar a liberdade de expressão. “

VEJA TAMBÉM:  Marília Mendonça decepciona fãs LGBTs ao debochar de mulher trans em live; assista

Os ativistas forneceram ao Gay Star News exemplos de postagens relatadas no Facebook, incluindo uma que, quando traduzida do árabe, dizia: “Se você acha que é seu direito agir sobre sodomia / homossexualidade, é meu direito opinar sobre isso”

Outro perfil tinha uma foto de um boneco branco chutando um boneco de arco-íris no estômago, com uma foto de capa de uma bandeira do Orgulho LGBT em chamas.

Adam Muhammed, diretor executivo do grupo de direitos LGBT + ATYAF Collective no Marrocos, disse à Reuters: “Nos EUA e na Europa, não há espaço para espalhar discursos de ódio contra qualquer orientação sexual, raça, religião, seita ou qualquer outro grupo social. Enviamos uma carta ao Facebook solicitando à sua administração a implementação da mesma política aqui usada em outros países”.

O Facebook disse ao PinkNews que removeu o discurso de ódio em mais de 50 idiomas, incluindo o árabe, e que 90% dele foi bloqueado antes que os usuários o denunciassem.

VEJA TAMBÉM:  Sem a menor necessidade, Bolsonaro ataca famílias LGBTs em novo discurso; assista

O porta-voz acrescentou: “Não permitimos ameaças de morte, ataques ou discursos de ódio direcionados à comunidade LGBTQI +…. Sabemos que temos mais trabalho a fazer aqui e continuaremos a trabalhar em estreita colaboração com os membros da comunidade LGBTQI + no Oriente Médio e no norte da África para lidar com esse comportamento repugnante”.

O Facebook vem enfrentando uma crescente pressão em todo o mundo para tomar atitudes mais drásticas e rápidas em relação a discursos de ódio e a disseminação da desinformação: “Em 17 de junho, os grupos de direitos civis Liga Anti-Difamação, NAACP, Free Press e Color of Change começaram uma campanha chamada Stop Hate for Profit, que pedia às empresas que parassem suas propagandas no Facebook e Instagram, na tentativa de forçá-las a reconsiderar seus políticas. Stop Hate for Profit disse: “O que você faria com US $ 70 bilhões? Sabemos o que o Facebook fez”.

E continuou: “Eles continuaram permitindo o incitamento à violência contra manifestantes que lutam pela justiça racial nos Estados Unidos, em apoio a George Floyd, Breonna Taylor, Tony McDade, Ahmaud Arbery, Rayshard Brooks e muitos outros.

VEJA TAMBÉM:  Espionar celular do parceiro agora é crime pode levar a 1 ano de prisão na Arábia Saudita

Eles nomearam o Breitbart News como ‘fonte confiável de notícias’ e fizeram do The Daily Caller um ‘verificador de fatos’, apesar de ambas as publicações terem registros de trabalhar com nacionalistas brancos conhecidos. Eles fecharam os olhos à flagrante supressão de eleitores em sua plataforma. Eles poderiam proteger e dar suporte a usuários negros? Eles poderiam chamar a negação do Holocausto como ódio? Eles poderiam ajudar a obter a votação? Eles absolutamente podiam. Mas eles estão optando ativamente por não fazer isso.”

Com a pressão e divulgação de seus anúncios no Facebook, empresas como Adidas, Puma, Vans, Ben & Jerry’s, Levi’s, Verizon e Unilever prometeram retirar publicidade do Facebook em julho.

Em resposta ao boicote em massa, o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse que a empresa colocaria “rótulos de advertência” nas postagens, mas não impediria que o conteúdo fosse publicado.

Segundo Out, Zuckerberg disse que os usuários do Facebook devem ser livres para condenar o conteúdo, pois “essa é uma parte importante sobre como discutimos o que é aceitável em nossa sociedade”.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).