Autodeclarada rainha dos gays, a socialite Narcisa Tamborindeguy a partir de agora terá mais dificuldade pra obter algum consenso quando quiser repetir o título.

Ela acaba de declarar seu voto no presidenciável homofóbico Jair Bolsonaro. Sim, aquele mesmo que é diz que “gay ninguém gosta, apenas suporta”, que “90% dos gays morrem por consumo de drogas”, que “filho gay é falta de porrada”, que “não receberia doação de sangue se viesse de um homossexual”, que “vizinho gay desvaloriza imóvel”, dentre outras falas extremamente preconceituosas e que só alimentam o estigma e violência aos quais LGBTs são submetidos por parte preconceituosa da sociedade no dia a dia.

Claro que Narcisa tem todo direito de votar em quem quiser. “A democracia é uma delícia mas tem seu custo”, como bem disse o presidenciável Ciro Gomes em um dos debates tentando explicar porque temos figuras tão primitivas na política como Cabo Daciolo ou Bolsonaro.

Mas fica um claro motivo a comunidade LGBT para refletir como elege seus ícones. Quão frágil é ser representado ou dar biscoito a alguém como Narcisa? O quanto ela acrescenta além de ser engraçada por uma aparente falta de equilíbrio? O mesmo podemos dizer de Inês Brasil. Não adianta com uma mão dizer que ama os gays e com a outra dar apoio a quem condena a nossa existência.

Confira o vídeo abaixo onde Narcisa declara seu voto:

De acordo com a repercussão nas redes sociais, por pelo menos boa parte da comunidade LGBT, a socialite acaba de ser “cancelada”, “expulsa do vale” e até “morta como meme”, como mostram algumas reações abaixo no Twitter. Vale ler cada uma e refletir sobre:

É verdade que a expulsão de Narcisa do Vale não afetará muita coisa. Embora fosse divertida e se proclamasse aliada da causa gay, Narcisa nunca teve muitas ações além de falar a favor da causa. E como já dizia Neymar: falar, até papagaio fala.

Fica uma lição a comunidade LGBT na hora de escolher seus ícones. Exemplos de pessoas muito melhores e envolvidas na causa não faltam, basta pesquisar.

Exemplos? Paola Carossella do Masterchef se diz aliada da causa. O que já fez? Ela ministra cursos de culinária gratuitos para transexuais ajudando na colocação no difícil mercado de trabalho desta parcela tão marginalizada da população.

Lady Gaga é ícone por causa das montações e porque só fala a favor dos gays? Também. Mas além de trazer mensagens a favor da diversidade em suas músicas, a cantora já falou frente ao exército dos Estados Unidos sobre a importância de se assumir e acabar com aquela antiga política do “don’t ask don’t tell” que favorecia aos militares continuarem no armário.

Pabllo Vittar e Gloria Groove não somente SÃO pessoas LGBTs como se posicionam. Não demorou nada pra simplesmente encerrarem parceria com dono de marca de calçados que também declarou voto em presidenciável homofóbico.

Percebem a diferença? E você? Tem outros exemplos de ícones muito mais relevantes e que não só gritam “Toca uma música pros gays!” como tem ATITUDES que realmente beneficial a comunidade LGBT? Deixa no comentário aqui embaixo e quem sabe rola até uma notícia exaltando os que realmente merecem serem exaltados pela comunidade LGBT sendo de fato muito “bem vindos ao Vale”

Assista também:

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).