Os “hackers” não estão apenas revelando podres dos políticos brasileiros, mas também do estado do Tennessee, nos EUA.

A “vítima” da vez é o ex-deputado estadual republicano do Tennessee, Bill Sanderson, de 59 anos, que foi acusado de estar com um perfil no Grindr. Ele negou, disse que estão usando sua imagem, porém após os rumores se intensificarem com prints dos chats, ele renunciou seu cargo.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Segundo a matéria de Daniel Villareal, no LGBTQ Nation, o político conservador cujos discursos homofóbicos eram conhecidos dos eleitores, foi acusado pelo jornalista Cari Wade Gervin, do The Dog  e Pony Show, que contou que Sanderson estava no aplicativo procurando sexo e também enviando fotos do seu peitoral e de seu pênis para outros homens quase 40 anos mais jovens – imagens que o político afirma terem sido falsificadas com fotos do seu Facebook.

VEJA TAMBÉM:  Jovem chora após perder a virgindade com boy do Grindr

Na última terça-feira (24), Bill renunciou ao cargo. Atualmente ele é casado com uma mulher e seu posicionamento político sempre foi anti-LGBT.

Segundo ele, sua renúncia ao cargo deve-se ao fato da necessidade de administrar seu negócio, a White Squirrel Winery, mas Gervin afirma que é por conta dos rumores de seus encontros com outros homens.

Não é a primeira vez que o político se envolve nesse tipo de polêmica. Em janeiro de 2014, foi noticiado no blog de fofocas “The Dirty” que Sanderson teria enviado mensagens a um estudante não identificado chamado Vanderbilt. Segundo o blog, Sanderson havia dito no aplicativo que era um representando do estado, representando os condados de Obion, Lake e Dyer, seu distrito real.

O jornalista ainda afirma que as mensagens parecem ser autênticas, pois usam o número de celular real do ex-deputado.

 “O Grindr e as mensagens de texto que vi parecem ser autênticas. Eles usam o número real de celular de Sanderson. Fontes confirmam ter sido informado sobre as mensagens no momento por seus amigos que as receberam. E um homem que entrevistei disse que conheceu Sanderson em sua fazenda em Kenton”.

No Grindr, o suposto perfil de Sanderson se chama “Brian” e na descrição diz que está em um relacionamento aberto.  Em uma das mensagens enviadas pelo perfil falava que sentia atração por homens baixos.

VEJA TAMBÉM:  Homem de 33 anos surta ao ser chamado de 'coroa' no Grindr

O político nega as acusações, diz que o perfil, as imagens e as mensagens são falsas, porém, o repórter Gervin rebate:

“[Sanderson] diz que não estava em um relacionamento aberto e me disse que, se eu publicasse essa história, arruinaria seu casamento. Ele negou ser bissexual ou gay ou ter tocado sexualmente em um homem ”.

Gervin também disse que conversou com um homem que teria saído com Bill. Este homem atualmente é um estudante da UT Martin e afirma que conversou com Bill no Grindr alguns anos atrás quando ele tinha apenas 19 anos.  Também contou que se encontrou com o deputado em sua vinícola e o encontro foi interrompido pela esposa de Bill.

O posicionamento político anti-LGBT de Sanderson é antigo. Em 2011 ele votou contra o projeto que permitiria que as cidades adotassem decretos de discriminação anti-LGBT. No ano seguinte, ele votou por um projeto de lei sobre abstinência sexual que proibia a discussão sobre atividade sexual. Em 2016, Sanderson apoiou o um projeto de lei que permitia que os terapeutas rejeitassem pacientes gays, mesmo que violassem o código de ética da American Counseling Association.

VEJA TAMBÉM:  “Ele tá morto!”, diz namorada ao descobrir traição do boy com homens no Grindr

Este ano, o ex-deputado já votou para defender as escolas que recusam o acesso de estudantes trans aos banheiros, e também votou para permitir que as agências de adoção rejeitem casais do mesmo sexo. Além de tudo isso, também assinou um projeto de lei anti-trans.

Maikon Stefan
Amante do teatro, tv e de Harry Potter, formado em Técnico em Administração e Bacharel em Ciência e Tecnologia (UNIFESP-SJC). Atualmente cursa Engenharia de Materiais (UNIFESP-SJC). Também foi Presidente da Empresa Júnior (Ectm Jr). "Me chama pra causar que eu vou".