Ianne Fields Stewart, mulher negra trans, ficou do lado de fora do bar Stonewall Inn no primeiro dia do mês do Orgulho (1 de junho) e pediu à multidão que fizesse mais para homenagear a vida transexual negra.

Diante dos protestos contra o racismo e a brutalidade policial que ocorrem nos Estados Unidos após a morte de George Floyd e do homem trans negro Tony McDade, Ianne questiona a visibilidade de pessoas trans negras.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

De pé em um banco perto do Stonewall Inn no dia 1 de junho, a ativista disse a centenas de pessoas que “a vida de pessoas trans negras importa”. “Mulheres trans negras deram a vocês cultura! Deram a vocês estilo! Deram a vocês tempero em sua maldita galinha! E por muito tempo, não estamos aqui. Você diz que nos honra. Você diz que nos eleva. Então, onde diabos estamos?”

VEJA TAMBÉM:  Trans e travestis do DF terão garantia de uso do nome social em concursos públicos

Ianne é atriz e fundadora do “The Okra Project”, um programa que combate a insegurança alimentar na comunidade trans negra. Para homenagear McDade e Nina Pop – uma mulher negra trans que foi assassinada em seu apartamento em Missouri (EUA) – ela está lançando um fundo de saúde mental que fornecerá aconselhamento a homens e mulheres trans negros.

“O ‘Okra Project’ reconhece que as pessoas pretas trans estão sentindo o peso de nossos irmãos sendo assassinados enquanto seus assassinos, sejam os assaltantes ou a força policial que coloca muito pouco esforços para encontrar os seus assassinos, anda livre”, disse Ianne em um comunicado a imprensa.

“Para honrar Nina Pop, Tony McDade e as muitas pessoas negras trans que foram assassinadas por violência sancionada pelo estado, o ‘The Okra Project’ dedica US$ 15.000 para criar o ‘Nina Pop Mental Health Recovery Fund’ [Fundo de Recuperação de Saúde Mental Nina Pop, em tradução livre] e o ‘Tony McDade Mental Health Recovery Fund’ [Fundo de Recuperação de Saúde Mental Tony McDade, em tradução livre]”, escreveu a militante no Twitter.

Doze pessoas trans ou não-binárias foram mortas a tiros ou por outros meios violentos nos EUA em 2020, de acordo com o projeto de rastreamento da violência anti-trans da Campanha dos Direitos Humanos.

VEJA TAMBÉM:  Pelo Whatsapp, garoto de 12 anos revela pra mãe que é um menino trans… e a reação foi a melhor possível!