O meio LGBT ficou chocado com a declaração de apoio à Bolsonaro dada pelo empresário catarinense Victor Vicenzza, responsável pela confecção de botas e sapatos usados por muitas drag queens e mulheres trans no Brasil, uma vez que muitos números eram maiores e o visual sempre agradou essa clientela muito vaidosa e exigente.

Após a declaração de apoio ao presidenciável homofóbico – que já proferiu frases como “Filho gay é falta de porrada”, “Gay ninguém gosta, a gente suporta!” e “90% dos homossexuais morrem por conta de consumo de drogas – o Instagram de Victor Vicenzza se viu inundado de mensagens de críticas a sua postura desumana em relação a apoiar alguém que sempre esteve contra a comunidade LGBT, enquanto Victor fez seu nome, fama e dinheiro justamente em boa parte pela LGBT.

View this post on Instagram

⚠️ COMUNICADO OFICIAL ⚠️

A post shared by Victor Vicenzza (@victorvicenzza) on

Claro que além das críticas, alguns bolsominions surgiram do bueiro na tentativa de defender a “opinião” de Victor Vicenzza. Quem respondeu um destes comentários muito bem foi a drag queen e youtuber Lorelay Fox, lembrando a diferença entre opinião e opressão: “Não é opinião quando esta vai contra direitos humanos e favorecem tortura, preconceito e retrocesso”.

Em outro comentário, Lorelay ainda lembrou aos LGBTs para estarem alertas aos falsos aliados da comunidade: “Fiquem de olho que tem muita marca que deve usar a gente assim!”

Outros nomes conhecidos também fizeram questão de criticar o designer pink money. Duda Dello Russo afirmou: “Victor, seu oportunismo chega a dar vergonha. Boa sorte com seu novo público. Estou ansioso por ver conservadores usando salto alto tamanho 42”.

“Só para lembrar que apoiar Bolsonaro é apoiar racismo, homofobia, misoginia, ditadura militar, perseguição política, fundamentalismo religioso. Apoiar Bolsonaro é ser conivente com a violência. É ser inimigo do Brasil, é ser criminoso”, afirmou o internauta @felipe_imp.imp nos comentários.


Assista também:


Enfim, vale uma passagem no post para conferir mais verdades, fora bolsominions passando vergonha tentando defender dono de marca usada por LGBTs até então que declara apoio a candidato homofóbico.

Uma das clientes mais famosas de Victor Vicenzza, e que – assim como todos nós – tem noção do ridículo e não vai mais usar nada da marca, é a drag queen Pabllo Vittar.

Em seus Stories do Instagram, Pabllo afirmou: “Desde o início da minha carreira, sempre soube que seria muito difícil conseguir apoio de marcas que queriam se relacionar com um artista LGBTQIA+ como drag que sou. Muitas portas se fecharam, mas algumas se abriram e com isso trabalhei até então com parceiros que sou muito grata.

Deixo aqui meu agradecimento de apoio até agora, mas não posso aliar meu trabalho com um discurso que deixa claro não se importar com direitos humanos de toda comunidade LGBTQIA+ da qual faço parte.”

Após o posicionamento de Pabllo, a marca de Victor veio em seu Instagram tentar consertar o mico afirmando que “luta contra todo tipo de preconceito desde a criação da empresa”. Claro, por isso que apoia presidenciável denunciado por racismo e que afirma que não contrataria mulher com mesmo salário porque esta engravida. Ou será pela vez em que Bolsonaro afirmou que vizinho gay desvalorizava imóvel? Ou que não aceitaria doação de sangue vindo de um homossexual?

Já sabem, né manas? Victor Vicenzza nunca mais! Use seu pink money com quem verdadeiramente luta pelos seus direitos e igualdade, não com quem apoia homofóbico e vai contra a sua existência.

Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 100 milhões de visualizações e 800 mil inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).