A Procuradoria Geral da República pediu ao STF abertura de inquérito contra o Ministro da Educação, Milton Ribeiro, por crime de LGBTfobia.

A série de denúncias à PGR aconteceu após a fala extremamente ignorante e preconceituosa do Ministro, vindo de entidades LGBTs como a ANTRA, ABGLT, ABRAFH, GADvs e Mães Pela Diversidade, além é claro também da população em geral que se indignou com a fala do ministro.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Na ocasião, Milton Ribeiro afirmou que LGBTs eram frutos de “famílias desajustadas”, além de falar que sexualidade era uma opção, sugerir que meninos gays seriam assim por não terem experimentado mulheres e ainda assumir ter ressalvas com professores transgêneros no ensino.

Ministro da Educação Milton Ribeiro (Foto: Reprodução)
Ministro da Educação Milton Ribeiro (Foto: Reprodução)

A ONG ANTRA Brasil lembrou sobre o fato em suas redes sociais: “Certamente peticionaremos no Supremo, enquanto amici curiae (amigas da Corte) e trabalharemos também no crime de transfobia (racismo transfóbico) sobre as tais ‘certas reservas’ que o Ministro da Educação disse ter com professores transgêneros nas escolas”.

VEJA TAMBÉM:  Pastor diz que queimadas são a ira de Deus pela Austrália ter aprovado o casamento gay

A ANTRA também se disse surpresa, porém feliz com a rapidez com que a PGR decidiu sobre a abertura de inquérito contra o ministro.

View this post on Instagram

É isso!!!! Pra cima deles!! . “Sua Excelência, na oportunidade, fez afirmações ofensivas à dignidade do apontado grupo social”, escreveu o vice-procurador no pedido de investigação. Ele também pediu autorização para que a Polícia Federal tome o depoimento de Milton Ribeiro. A decisão caberá ao ministro Dias Toffoli, sorteado relator. . “Trata-se de um ministro da Educação homofóbico, que violenta criminosamente os princípios de respeito e a igualdade entre as pessoas consagrados na Constituição Federal. Meu repúdio, como homossexual e como cidadão, é absoluto a esse ataque preconceituoso, medieval e sórdido, que exige reação imediata de todas as instituições democráticas”, afirmou Contarato. “Não podemos permitir essa violação aos direitos e garantias e à liberdade individual assegurados pela Constituição. Essa é uma agressão inadmissível contra os homossexuais e toda a sociedade”, completou. . Via @congressoemfoco

A post shared by ANTRA (@antra.oficial) on

O senador Fabiano Contarato (Rede – ES), afirmou sobre a fala do Ministro da Educação em seu Instagram: “Trata-se de um ministro da Educação homofóbico, que violenta criminosamente os princípios de respeito e a igualdade entre as pessoas consagrados na Constituição Federal. Meu repúdio, como homossexual e como cidadão, é absoluto a esse ataque preconceituoso, medieval e sórdido, que exige reação imediata de todas as instituições democráticas”.

E completou: “Não podemos permitir essa violação aos direitos e garantias e à liberdade individual assegurados pela Constituição. Essa é uma agressão inadmissível contra os homossexuais e toda a sociedade”.

Contarato também foi um dos ativistas LGBTs que entrou com representação no STF para que a Corte determine ao Procurador-Geral da República que investigue o ministro por crime de homofobia, lembrando que o STF equiparou crime de homofobia ao crime de racismo.

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).