As vezes mal dá pra acreditar que, ainda em 2019 há gente preconceituosa e ignorante quando a existência da diversidade sexual e de gênero na sociedade.

Um vídeo da década de 80, não muito tempo atrás, viralizou recentemente nas redes sociais, onde a apresentadora Hebe Camargo defende os direitos homossexuais em uma época onde praticamente toda sociedade era conta essa discussão.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Se em 80 ainda era difícil, imagine então na década de 30? Ainda assim, desde lá, há estudiosos e cientistas que questionam as razões meramente religiosas e sem qualquer embasamento real e científico para se critica ou condenar a homossexualidade. Um exemplo é um dos pais da psicologia, Sigmund Freud.

Em uma matéria do portal Huffpost Brasil, a jornalista Vivian Jordão lemrou em um texto muito elucidativo que, em 1935, já existia uma carda de Freud defendendo o direito a homossexualidade de existir, sem ter razão para ser condenada.

VEJA TAMBÉM:  Grupo de atendimento psicológico oferece apoio durante quarentena

O escrito de Freud – atualmente em exibição na exposição Wellcome Collection em Londres – era uma resposta a uma mãe que lhe escreveu aflita sobre seu filho ter se revelado homossexual.

Leia abaixo as palavras de Freud, já em 1935, sobe a homossexualidade:

“Prezada senhora [Eliminado],

Eu vi na sua carta que seu filho é homossexual. Estou mais impressionado com o fato de você não mencionar esse termo ao passar as informações sobre ele. Posso te perguntar por que você evita o termo? Homossexualidade certamente não é uma vantagem, mas não há motivos para se envergonhar, não há vícios, não há degradação; isso não pode ser classificado como uma doença; consideramos como uma variação da função sexual, produzida por uma certa contenção do desenvolvimento sexual. Muitos indivíduos altamente respeitáveis da antiguidade e também dos tempos modernos foram homossexuais, diversos homens grandiosos. (Platão, Michelangelo, Leonardo da Vinci, etc). É uma grande injustiça perseguir a homossexualidade como se fosse um crime – e uma crueldade também. Se a senhora não acredita em mim, leia os livros de Havelock Ellis.

Ao me perguntar se eu posso ajudá-la, suponho que queira dizer se posso abolir a homossexualidade e fazer com que a heterossexualidade tome seu lugar. A resposta é, em termos gerais não podemos assegurar que dê certo. Em alguns casos, temos êxito em desenvolver os genes de tendências heterossexuais prejudicados, que estão presentes em todos os homossexuais. Na maioria dos casos, isso não é possível. É uma questão da qualidade e da idade do indivíduo. O resultado do tratamento não pode ser previsto.

O que a terapia pode fazer pelo seu filho vai em outra direção. Se ele é infeliz, neurótico, atormentado por conflitos, prejudicado em sua vida social, a terapia pode trazer harmonia, paz de espírito, eficácia, quer ele permaneça homossexual ou mude. Se decidir que ele deve se consultar comigo — Não acredito que vá — ele teria que vir à Viena. Eu não tenho intenção de sair daqui. Entretanto, não deixe de me dar sua resposta.

Com os melhores cumprimentos e atenciosamente,

Freud

P.S. Não encontrei dificuldade em entender sua letra. Espero que minha letra e meu inglês não sejam uma tarefa difícil.”

Veja a imagem original abaixo:

VEJA TAMBÉM:  Chapa “pró cura-gay” perde as eleições para Conselho Federal de Psicologia
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).