Um dos líderes mais importantes da Igreja Católica, Carlos Aguiar, que é arcebispo da Cidade do México, manifestou apoio às declarações do Papa Francisco sobre gays e pediu às famílias que apoiem seus filhos LGBT+.

O Papa Francisco ganhou as manchetes do mundo em outubro, quando falou sobre seu apoio às uniões civis entre casais homossexuais no documentário italiano Francesco. Os comentários vieram de uma entrevista de 2019 à estação de televisão mexicana Televisa, que só recentemente tomou tamanha proporção.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Embora os comentários do líder máximo católico não tenham mudado a doutrina oficial da Igreja Católica, eles foram encarados como uma mudança histórica na abordagem da instituição historicamente anti-LGBT.

No passado Carlos Aguiar chegou a fazer campanha contra o casamento homoafetivo e o direito ao aborto. Ele agora deu seu apoio ao Papa Francisco quanto a comunidade LGBT: “Eu concordo totalmente”, disse o aliado de longa data do pontífice à Reuters.

VEJA TAMBÉM:  Papa Francisco pede por leis de casamento civil para casais do mesmo gênero
Arcebispo mexicano da Igreja Católica, Carlos Aguiar. (Foto: Reprodução / Wikipedia)
Arcebispo mexicano da Igreja Católica, Carlos Aguiar. (Foto: Reprodução / Wikipedia)

Ele também disse que concordava com o Papa Francisco que as famílias não deveriam rejeitar crianças LGBT+: “Isso não pode! Simplesmente não pode acontecer”.

Já sobre uniões homoafetivas, ele declarou: “Se eles decidirem por livre escolha estar com outra pessoa, estar em união, isso é uma liberdade”.

Declaração pró-LGBT do Papa Francisco teve ressalvas

Houve um júbilo global quando o líder católico expressou seu apoio às uniões civis do mesmo sexo no documentário italiano em outubro – no entanto, mais tarde descobriu-se que Francisco não foi tão longe em seu apoio às uniões do mesmo sexo quanto muitos esperariam.

No documentário, o pontífice disse: “Os homossexuais têm o direito de fazer parte da família. Eles são filhos de Deus e têm direito a uma família. Ninguém deve ser expulso, ou miserável por causa disso.”

Então ele acrescentou: “O que temos que criar é uma lei da união civil. Dessa forma, eles são legalmente cobertos. Eu defendi isso.”

Acontece que, quando a transcrição completa da entrevista do representante máximo da Igreja Católica foi divulgada, ficou claro que o Papa não apoiava tanto os direitos LGBT+ como parecia à primeira vista.

VEJA TAMBÉM:  Jovens LGBTQI+ recebem mensagens solidárias de bispos católicos

Adiante na entrevista, ele continuou a expressar sua opinião de que o casamento entre um homem e uma mulher é fundamentalmente diferente de uma união entre duas pessoas do mesmo sexo: “Eu sou um conservador”, disse ele quando questionado sobre sua opinião sobre os ensinamentos da Igreja.

“Eu sempre defendi a doutrina. E é curioso sobre a lei do casamento homossexual – é uma contradição falar de casamento homossexual.”

O Papa Francisco tem um histórico complicado com a comunidade LGBT + desde que se tornou líder da Igreja Católica em 2013.

Em 2013, ele ganhou as manchetes globais quando apelou à Igreja Católica para “mostrar misericórdia, não condenar” aos gays – o que já representou uma mudança radical no tom em relação aos papas anteriores.

Mas em 2019, Francisco disse a um jornal espanhol que os pais que vêem sinais de homossexualidade em seus filhos deveriam “consultar um profissional”, em um comentário lamentável que só favorece pseudo-terapias de “cura gay”, que são apenas centros de tortura e que não revertem a sexualidade de ninguém, da mesma forma que nenhum hétero tem sua sexualidade alterada por qualquer fator.

VEJA TAMBÉM:  Padre do interior de SP é punido pelo Vaticano por celebrar casamento gay

Em outro momento lamentável, em 2019, o Vaticano divulgou um documento afirmando que a “ideologia de gênero” é um “afastamento da natureza”.

E parece que será assim com a Igreja católica… Fizemos avanço e a instituição vem se demonstrando mais aberta em relação a comunidade LGBT, mas sempre em 2 passos pra frente e 1 pra trás…

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).