A Casa Nem é um prédio simples em Copacabana, no Rio de Janeiro, que acolhe LGBTQs em situação de risco. 70 pessoas moram no prédio e duas delas estão isoladas com suspeitas de terem contraído a Covid-19, doença causada pelo Coronavírus.

A ação foi executada pelo chefe da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual da Prefeitura do Rio (CEDS-RIO), Nélio Georgini, junto com o estudante de direito Erick Witzel, filho do governador Wilson Witzel e assessor de empregabilidade da CEDS. Ambos usando luvas descartáveis e máscaras de proteção.

Em entrevista ao jornal O Globo, Erick explicou o motivo da ação e ainda contou que há outro projeto parecido para pessoas trans no centro do Rio.

“Neste momento de crise, precisamos atentar para a população mais vulnerável . Semanalmente, vamos acompanhar a necessidade de insumos na ocupação LGBT durante o período de isolamento social. Os Itens são os básicos da cesta brasileira, arroz, feijão, óleo, farinha, enlatados, produtos de limpeza e higiene. Disponibilizamos 80kg de alimentos.”

A Casa Nem é moradia de transexuais, travestis e transgêneros que ali podem encontrar uma família. Além de servir de lá, no local também ocorrem oficinas, shows, festas e debates.

O Grupo “Transrevolução” (movimento social transgênero), criado dentro da casa, promove uma campanha de doações para todos poderem sobreviver durante a quarentena.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

Nélio Georgini reforça que a ação ainda não acabou.

“Enquanto servidores, não podemos nos dar ao luxo de ficar de braços cruzados. Vamos formar uma corrente de solidariedade ainda maior”

Avatar
21 anos, geminiano, mineiro, jornalista formado pela UEMG. Apaixonado por música e artes de modo geral. Ex-bailarino na teoria mas danço nas festinhas bastante. Sonho em ser amigo da Rihanna e da família da Beyoncé. Provável futuro ex-bbb e quem sabe vencedor da Fazenda.