Em uma exclusiva ao portal NLucon, a mulher trans e jornalista, Alana Rocha, de 37 anos, contou como foi sua vida, carreira, como lida com o preconceito, e ainda, como encarou entrevistar um agressor de travestis, um dos momentos mais marcantes de sua trajetória como repórter policial segundo ela mesma.

Alana ganhou fama em todo o país em 2017, quando foi lançada como a primeira mulher trans a ser repórter em um telejornal, no programa policial Ronda, da TV Aratu (afiliada do SBT em Salvador).

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Meu objetivo é mostrar que podemos ser os profissionais que quisermos ser, fazendo com que as empresas abram suas portas e reconheçam as pessoas trans”, disse ela.

Confira abaixo sua entrevista em vídeo ao NLucon na íntegra:

Sobre a experiência de fazer uma cobertura policial entrevistando justamente um agressor de travestis e transexuais, Alana contou que após as perguntas de praxe de um bom jornalista (como “Por que cometeu o crime?”, etc.), olhou bem para ele e perguntou: “Vem cá, você já teve relacionamento com uma trans ou travesti? Alguma já magoou seu coração?”, ao que o rapaz simplesmente ficou mudo.

VEJA TAMBÉM:  Prefeitura de SP oferece 470 vagas de emprego para transexuais; inscreva-se

No dia seguinte, ela recebeu um telefonema da delegada da delegacia onde o rapaz se encontrava detido: “A delegada me ligou e disse: ‘Alana, assim que você saiu, ele confessou que agredia travestis porque o pai largou a mãe e foi morar com uma travesti. Aí ele tomou ódio de travesti’”, contou ela.

E continuou: “Ou seja, ele descontava a raiva e agredia qualquer travesti que ele encontrava na rua. Sempre a gente vê que o preconceito tem um fundo de alguma coisa, né? Foi uma matéria que me marcou muito”, disse ela.

Confira no site NLUCON a entrevista completa de Alana onde ela conta tudo sobre a sua vida e carreira. Vale bem a pena a leitura!

Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).