Casamentos são um grande negócio, isso é um fato inegável. Não apenas para unir pessoas que se amam, mas comercialmente. Entre buffets, convites, vestidos, decorações, alimentação, festas e todos os fornecedores necessários, este é um tipo de evento que emprega diversos setores da economia onde quer que seja. Naturalmente, o mesmo vale para uniões homoafetivas nos países que a legalizaram.

De acordo com um novo estudo do Instituto Williams divulgado pela Out Magazine, casais de gays e lésbicas injetaram na economia dos Estados Unidos mais de US $ 3,8 bilhões (mais de R$ 20 bilhões de reais!) desde que união homoafetiva foi aprovada no país em 2015 em quase 300.000 uniões celebradas.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
VEJA TAMBÉM:  Em vídeo, Damares Alves diz que homossexualidade é aberração e doença

“O casamento igualitário mudou a vida de casais do gays e de suas famílias”, disse à Reuters Christy Mallory, diretora de políticas estaduais e locais do Instituto Williams e principal autora do estudo. “Ele também forneceu benefícios consideráveis economicamente para empresas e governos estaduais e locais”.

Ainda segundo o levantamento, deste montante, US $ 544 milhões foram gastos através do turismo apenas com convidados que viajaram para o casamento. Governos estaduais e municipais arrecadaram cerca de US $ 244 milhões só em impostos.

E isso tudo considerando apenas os Estados Unidos, já que infelizmente não existem dados oficiais de outros países ou da soma de todos onde o casamento gay é permitido.

Mas imagine a grana que não movimenta se calcular a economia do mundo? E quanto dinheiro – e oportunidade de celebrar o amor – perdem os países que insistem em posturas arcaicas, homofóbicas e preconceituosas sem aprovar a união homoafetiva?

VEJA TAMBÉM:  Taiwan vai celebrar conquista do casamento gay no país com buffet gigante
Créditos da foto: Tem Que Ter
Avatar
Criador Põe na Roda, canal do youtube de humor e informação LGBT desde 2014, com mais de 150 milhões de visualizações e 1 milhão de inscritos. Autor do livro "Um Livro Pra Ser Entendido", que desmistifica questões do mundo gay e sobre ser LGBT para todos os públicos. Também foi roteirista de TV (Amor & Sexo, Adnight, CQC, Furo MTV) e colunista (Folha de S. Paulo).