Apesar de a luta pelos direitos ter ganhado mais força nos últimos anos, as pessoas LGBTQ+ ainda enfrentam muitas barreiras quando decidem se casar com seus companheiros. No entanto, com muita resistência, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) apontou que a união entre pessoas do mesmo sexo teve um crescimento de 61,7% em 2018. 

Especialistas e militantes pelos direitos da comunidade LGBTQ+ apontam esse crescimento como uma resposta à atual situação política do Brasil. 

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:

“Muitos casais formalizaram suas uniões com medo de que em breve isso não fosse mais possível”, disse ao G1 a advogada e integrante da Rede Lésbica Brasil, Andressa Regina Bissolotti dos Santos.

Ela explicou ainda que o casamento homoafetivo se trata de uma resolução do CNJ que proíbe cartórios de se negarem a oficializar a união entre pessoas do mesmo sexo. 

VEJA TAMBÉM:  Estudo revela que casais gays tendem a ter nível de felicidade maior que casais héteros; entenda

“Uma resolução, ou mesmo uma decisão judicial, não são leis. Mesmo a decisão, embora seja vinculante em todo o território nacional, não gera o que nós chamamos no direito de ‘coisa julgada’, ou seja, o tema poderia voltar a ser apreciado”, destacou.