Adrian Murphy foi assassinado pelo casal hétero Joel Osei e Diana Cristea, um casal que envenenou com “bafo do diabo” (escopalamina). Murphy, 43, foi encontrado morto em sua casa em Battersea, Londres, em junho de 2019.

Joel Osei, 25, e sua ex-namorada Diana Cristea, 18, foram considerados culpados de assassinato por um júri no Tribunal Crown de Croydon na sexta-feira (23 de outubro). O casal também foi considerado culpado por duas duas acusações de roubo e oito acusações de fraude.

VÍDEO NOVO DO PÕE NA RODA:
Casal hetero
Adrian Murphy, 43 anos, dançarino, morto pelo casal

Durante o julgamento, Osei se confessou culpado de homicídio culposo e admitiu ter envenenado Murphy. Ele também se declarou culpado de duas acusações de roubo e oito de fraude. Enquanto isso, Cristea havia se confessado culpada de duas acusações de manuseio de mercadorias roubadas e uma acusação de fraude.

No processo que ocorreu este mês de outubro, os jurados foram informados de que o casal hétero Osei e Cristea haviam criado perfis falsos do Grindr em um esforço para drogar e roubar homens gays e bissexuais usando a droga.

VEJA TAMBÉM:  Ativista LGBT é violentamente assassinado em Pernambuco

Murphy conheceu Osei no aplicativo e o convidou para sua residência em Battersea em 1º de junho de 2019. No dia seguinte, depois que ele morreu, Osei e Cristea tentaram usar seu nome para comprar $ 80.000 (£ 62.000) em diamantes de um Nova York joalheiro.

Seu corpo foi descoberto por seu melhor amigo em 4 de junho e £ 2.000 em mercadorias, incluindo uma carteira, laptop e bolsa Louis Vuitton, estavam desaparecidos de seu apartamento. Traços de escopalamina foram descobertos em seu corpo durante uma autópsia.

Uma análise das imagens de CCTV do complexo de apartamentos de Murphy mostrou Osei saindo de um elevador e caminhando em direção à propriedade em 1º de junho de 2019. A mesma filmagem o mostrou deixando o prédio depois da meia-noite de 2 de junho carregando uma bolsa de marca pertencente a Murphy.

Os investigadores descobriram que Osei falou com Cristea por meio de 23 ligações e mensagens separadas enquanto ainda estava no endereço de Murphy. Depois de sair do apartamento, conheceu Cristea e deu a ela os itens que havia roubado do homossexual assassinado.

VEJA TAMBÉM:  Real com local: Festa só pra homens dá desconto pra quem tem Grindr ou Hornet!

Casal hétero tem histórico de crimes

Joel Osei e Diana Cristea supostamente drogaram outro homem com a mesma droga.
Como parte da investigação, os detetives também conseguiram relacionar Osei a um segundo incidente ocorrido em um endereço em Walthamstow em 30 de maio de 2019.

Nesse incidente, a vítima de 40 anos – que não foi identificada por motivos legais – convidou Osei para seu apartamento após um bate-papo no Grindr. A vítima foi posteriormente encontrada desmaiada pelos vizinhos com altos níveis da droga em seu sangue.

Seu apartamento foi saqueado enquanto ele estava inconsciente, com laptops, telefones celulares, uma carteira e dinheiro entre os itens roubados. Registros telefônicos mais tarde mostraram que Osei esteve em contato com Cristea repetidamente enquanto estava no apartamento da vítima.

“O legado de Adrian é o de um herói e espero que sua morte trágica tenha impedido que isso aconteça com qualquer outra vítima inocente. Adrian trouxe o amor e a arte da dança a milhares de jovens em todo o mundo. Ele fez tantos amigos leais que estão tão tristes com sua morte prematura, pois ele era um irlandês inspirador, que era um dançarino e coreógrafo talentoso”, disse sua família em um pronunciamento.

VEJA TAMBÉM:  Homofobia: Pai chicoteia filho nu ao descobrir que ele usava o Grindr

“Nossa família está com o coração partido porque Adrian não está mais conosco. Ele deixou um grande vazio em nossa família e o fato de não podermos mais vê-lo ou ouvi-lo torna sua ausência ainda mais sentida.

O detetive inspetor-chefe Robert Pack disse que Osei elaborou um “plano insensível e calculado” para ganhar “dinheiro fácil” drogando homens homossexuais. “Ele selecionou este método acreditando que as vítimas provavelmente não entrariam em contato com a polícia devido à natureza íntima e pessoal das reuniões”, disse Pack.

“O casal hétero alvejara as vítimas em um lugar onde deveriam se sentir seguras, suas próprias casas, e o uso indiscriminado de uma droga que ele sabia ser perigosa levou à trágica morte de Adrian Murphy.